PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
"A população e os médicos não suportam mais as deficiências do SUS"


ENTREVISTA (pág. 3)
Antonio Gonçalves Pinheiro, coordenador da CT de Cirurgia Plástica do CFM


ATIVIDADES 1 (pág. 4)
Araçatuba, Franca e Jaboticabal: novos módulos de atualização profissional da Casa


ATIVIDADES 2 (pág. 5)
A retomada da Educação Médica Continuada: novo formato e novos coordenadores


ATIVIDADES 3 (pág. 6)
Levantamento DataFolha: interferências dos planos de saúde prejudicam médicos e pacientes


EXAME DO CREMESP (pág. 7)
Aprovados na prova teórica serão convocados para a prática, agendada para 10 de outubro


DOAÇÃO DE ÓRGÃOS (pág. 8)
"Não faltam doadores, mas doação”, afirma presidente da ADOTE


ÉTICA MÉDICA (pág. 10)
Saúde suplementar: empresários ignoram bem-estar de pacientes e o exercício, ético, da Medicina


GERAL 1 (pág. 11)
Movimento obteve 22% de reajuste e negociação das demais reivindicações


CFM (pág. 12)
Representantes do Estado no CFM se dirigem aos médicos e à sociedade


ESPECIALIDADES (pág. 13)
Urologistas enfrentam desafios relacionados às oportunidades e condições de trabalho


ALERTA ÉTICO (pág. 14)
Análises do Cremesp ajudam a prevenir falhas éticas causadas pela desinformação


GERAL 2 (pág. 15)
HC prestou homenagem ao ex-superintendente em 24 de setembro


GALERIA DE FOTOS



Edição 275 - 10/2010

EDITORIAL (pág. 2)

"A população e os médicos não suportam mais as deficiências do SUS"


Mais saúde, mais respeito

Em ano de eleições que consolidam a nossa democracia, a manifestação dos médicos em Brasília, no dia 26 de outubro, propõe uma reformulação do sistema de saúde brasileiro, que passa prioritariamente pela valorização do médico, pelo fortalecimento do SUS e por uma corajosa regulação que promova novas práticas na saúde suplementar


No mês em que é comemorado o Dia do Médico, o Cremesp se une às entidades estaduais e nacionais, em ato público em Brasília, no dia 26 de outubro.  Chamaremos a atenção dos parlamentares e governantes, eleitos e reeleitos, e das duas candidaturas à Presidência da República, sobre as providências que precisam ser urgentemente tomadas para a recuperação e a sobrevivência do sistema de saúde brasileiro.

As mais recentes pesquisas de opinião dos institutos Datafolha e Ibope, sobre os maiores problemas nacionais, revelam que a saúde ultrapassou os temas segurança, desemprego e educação, liderando hoje o ranking das preocupações dos cidadãos.

A população e os médicos expressam, simultaneamente, que não suportam mais as deficiências do SUS e as práticas abusivas dos planos de saúde privados. A dificuldade de acesso a médicos e serviços, a baixa resolutividade, as longas esperas e o tratamento indigno, antes exclusividades do sistema público, agora integram a rotina também daqueles milhões de brasileiros que dependem da saúde suplementar.

A falta de assistência é a outra face da mesma realidade vivida pelo médico que, em seu exercício profissional, no setor público ou privado, está sufocado por relações de trabalho cada vez mais precárias.

O Cremesp e as entidades médicas querem demonstrar para os políticos e para a sociedade que, em nenhuma circunstância, podemos admitir e aceitar tal desrespeito e menosprezo dirigidos aos médicos, pois isso compromete a medicina e a saúde.

A evolução das técnicas da medicina e das estruturas de saúde, que deveria representar mais eficiência e qualidade na assistência médica à população, é barrada pela desvalorização do médico, uma regressão perpetrada por empresários e por gestores públicos, com o consentimento do Estado que devia prover ou, no mínimo, regular a saúde no Brasil.

Quando as entidades médicas igualam em peso a denúncia da precariedade das condições de trabalho e de exercício assalariado no SUS com a denúncia da aviltante contra¬partida de pagamento das consultas e procedimentos pelos planos de saúde, queremos dizer que a ética médica é uma só, que o compromisso e o interesse pelos pacientes são um só, qualquer que seja o modelo de vínculo ou de remuneração dos médicos.

Mesmo cientes da deterioração da relação entre os planos de saúde e os médicos – pauta permanente do Cremesp e das entidades médicas –, ficamos estarrecidos com o levantamento recente da Associação Paulista de Medicina (APM), ao revelar que mais de 90% dos colegas sofreram  interferência dos planos de saúde na prática profissional, restrições de toda ordem, da negação de procedimentos e medidas terapêuticas até a prática de honorários vis.

Quanto ao SUS, só nos resta retomar a indignação diante da omissão da Câmara dos Deputados que ainda não regulamentou a Emenda Constitucional 29, deixando de garantir o mínimo necessário de financiamento para que o sistema público possa cumprir com suas obrigações e atender às necessidades de saúde da população.

Ao promover uma “caravana” a Brasília, lideranças médicas de todo o país irão demonstrar que estamos mobilizados e temos uma agenda propositiva para a saúde no Brasil, conforme já havíamos divulgado após o último Encontro Nacional das Entidades Médicas - ENEM.  

Sem a EC 29 – vamos demonstrar –, o atual aporte de recursos públicos é incompatível com um sistema universal, o que faz crescer os gastos privados em saúde, acirrando as desigualdades de acesso e utilização dos serviços. Sem a efetiva e responsável ação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que hoje ignora a regulamentação da relação entre os médicos e as operadoras, continuaremos assistindo – profissionais e usuários – à decadência da assistência médica provida pelos planos de saúde.

Em ano de eleições que consolidam a nossa democracia, a manifestação dos médicos em Brasília no dia 26 de outubro propõe uma reformulação no sistema de saúde brasileiro, que passa prioritariamente pela valorização do médico, pelo fortalecimento do SUS e por uma corajosa regulação que promova novas práticas na saúde suplementar.


Luiz Alberto Bacheschi
Presidente do Cremesp


Este conteúdo teve 627 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 207 usuários on-line - 627
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior