PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2))
Campanha sensibilizará a classe sobre registro da titulação


ENTREVISTA (pág. 3)
Aloísio Tibiriçá, 2º vice-presidente do Conselho Federal


EVENTOS (pág.4)
Acompanhe os próximos encontros do Cremesp, inscreva-se e participe


ATIVIDADES (pág. 5)
Encontros abordaram dor abdominal e cursos não reconhecidos pelo CFM


EDUCAR PARA PALIAR (págs. 6/7)
Nova área de atuação trará benefícios ao paciente terminal


DIA DO MÉDICO (págs. 8/9)
Fenmesp, Simesp, APM e Academia de Medicina discutem reivindicações da classe médica


ÉTICA & BIOÉTICA (pág. 10)
Profissionais de várias áreas da saúde participaram dos encontros


GERAL 1 (pág. 11)
Pessoas físicas e jurídicas podem efetuar o pagamento de maneiras diferenciadas


COLUNA DO CFM (pág. 12)
Representantes do Estado no CFM se dirigem aos médicos e à sociedade


GERAL 2 (pág. 13)
Destaque para o encontro nacional dos corregedores realizado pelo CFM, em Brasília


ALERTA ÉTICO (pág. 14)
Análises do Cremesp ajudam a prevenir falhas éticas causadas pela desinformação


GALERIA DE FOTOS



Edição 276 - 11/2010

ALERTA ÉTICO (pág. 14)

Análises do Cremesp ajudam a prevenir falhas éticas causadas pela desinformação


A dúvida do colega pode ser a sua. Por isso, confira as análises realizadas pelo Cremesp visando prevenir falhas éticas causadas por mera desinformação.

Fotos de pacientes internados


1) É ético permitir que familiares de internado em UTI tirem fotos do paciente?
O questionamento pode ser abordado utilizando-se como fundamentos alguns referenciais bioéticos, mas, principalmente, os da vulnerabilidade e da privacidade (consequentemente, do sigilo profissional).

Parece-nos indiscutível que um paciente crítico, internado em unidade de cuidados intensivos, preenche todos os critérios para considerá-lo vulnerável, com restrições variáveis de autodeterminação, em cada caso. A proteção à vulnerabilidade do paciente é um dever do profissional que o assiste.

Por outro lado, também a privacidade do paciente, referencial bioético extremamente importante, deve ser de responsabilidade do médico assistente e, obviamente, de toda a equipe de saúde e da instituição.

Baseados no dever do profissional de proteção à vulnerabilidade e na manutenção da privacidade a que tem direito o paciente, a permissão para tirar fotos de internados em UTI, pelo menos em tese, não deveria ser dada pelo médico responsável da unidade.
Pelo mesmo princípio de proteção da vulnerabilidade, recomendamos que, ainda que o paciente consinta, a autorização para fotos não seja dada.

Esta postura pode também ser justificada pela similitude com o Artigo 75 do Código de Ética Médica, no capítulo IX - Sigilo Profissional, que veda ao médico “fazer referência a casos clínicos identificáveis, exibir pacientes ou seus retratos em anúncios profissionais ou na divulgação de assuntos médicos, em meios de comunicação em geral, mesmo com autorização do mesmo.”

Exceções e casos específicos podem ser submetidos à análise do Comitê de Bioética ou Ética da instituição.

Baseado no Parecer Consulta nº 131.332/09 , do Cremesp.


2) Há problema em um hospital fazer publicar foto de paciente internado, sem capacidade de discernimento, objetivando localizar seus familiares?
Diretora de hospital público questiona se é ético divulgar em jornal fotografia de paciente internado que não conta com identificação, capacidade de autodeterminação e discernimento, no intuito de localizar seus familiares.

Sim, é desejável publicar: nas condições expostas, o paciente encontra-se sob tutela do Estado e da instituição em que está internado. A localização de seus familiares – que, muitas vezes, o estão procurando – só pode trazer benefício ao internado e aos seus parentes.

Pode dar a entender que nossa posição diverge do parecer de consulta anterior, também do Cremesp – que aconselha, em caso semelhante, a não publicar foto de paciente, com base no Código de Ética Médica, artigo 75 (que, em resumo, veda ao médico exibir fotos de casos clínicos identificáveis), e item VI dos Princípios Fundamentais (que proíbe ao médico atentar contra a dignidade e a integridade do paciente).

Consideramos que o código e o instituto do sigilo profissional visam ao benefício e à proteção da pessoa humana, ou seja, do paciente e da coletividade. A notícia do local onde o paciente se encontra internado e a publicação de sua fotografia e dados para a identificação, em caso como este, e com motivos justificáveis, em nada atentam contra a dignidade da pessoa humana, não violam o sigilo profissional e nem ferem sua imagem.
Também nada temos contra o envio de impressões digitais, fotografias e sinais físicos do paciente nas citadas condições aos Serviços de Busca de Pessoas Desaparecidas.

Baseado no Parecer Consulta nº 121.615/05, do Cremesp. Confira também o Parecer Consulta n° 28.858/95, do Cremesp


• Alerta Ético é uma coluna de responsabilidade do Centro de Bioética do Cremesp. Corresponde a resumos de questões publicadas na coluna FAQs, (originadas de pareceres e resoluções do Cremesp e CFM), disponível no site de Bioética


Este conteúdo teve 2560 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 7h às 21h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 394 usuários on-line - 2560
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior