PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2))
Nossos votos para que 2011 seja um ano com saúde, conquistas e realizações


ENTREVISTA (pág. 3)
Luiz Fernando Ferraz da Silva, coordenador do Bandeira Científica


EVENTOS 1 (pág.4)
Cremesp debate atualizações do CEM sob a forma de palestras


EVENTOS 2 (pág.5)
Eventos sobre urgência e emergência aconteceram na capital e no interior


GERAL 1 (JC pág. 6)
Veja opções de pagamento (pessoa física e jurídica)


ATIVIDADES 1 (pág. 7)
Encontro apresentou dados de pesquisa Datafolha encomendada pela Casa


EXAME DO CREMESP (pág. 8)
Iniciativa confirma urgência na qualificação do ensino da Medicina no Estado


PLANOS DE SAÚDE (pág. 10)
Coletiva de imprensa: seguradoras não priorizam os profissionais


SAÚDE MENTAL (pág. 11)
A abordagem multidisciplinar no tratamento do paciente psiquiátrico


GERAL 2 (pág. 12)
Lei do Ato Médico e a normatização de procedimentos exclusivos da Medicina


COLUNA DO CFM (pág. 13)
Canal de comunicação dos representantes do Estado no CFM com médicos e sociedade


ALERTA ÉTICO (pág. 14)
Análises do Cremesp ajudam a prevenir falhas éticas causadas pela desinformação


GERAL 3 (pág. 15)
Destaque para a presença do Cremesp em almoço oferecido à presidente eleita


GALERIA DE FOTOS



Edição 277 - 12/2010

EXAME DO CREMESP (pág. 8)

Iniciativa confirma urgência na qualificação do ensino da Medicina no Estado


Resultados do Exame do Cremesp apontam falhas no ensino médico

43% dos 533 participantes foram eliminados na 1ª fase; e 68%, na 2ª etapa


Da esq. p/a dir.: Azevedo e Luna Filho durante coletiva sobre os resultados do Exame 

O Exame do Cremesp, que avalia o desempenho dos estudantes do sexto ano de medicina ou recém-formados das escolas médicas paulistas, mostrou que 43% dos 533 participantes foram eliminados na primeira fase da prova objetiva e eliminatória. Já 68% dos 264 participantes da segunda fase não atingiram a nota mínima estabelecida pelo Cremesp. Os dados foram apresentados por Renato Azevedo, presidente em exercício do Conselho, e por Bráulio Luna Filho, conselheiro e coordenador do Exame do Cremesp, durante coletiva de imprensa, realizada na sede do Cremesp, no dia 16 de dezembro.

“Somos favoráveis à realização de um exame obrigatório no final do curso para todos os estudantes de medicina por instituição externa à universidade, o que não exclui outras formas de avaliação, como o exame de progresso no 2º, 4º e 6º anos”, afirma Azevedo.

Realizado pelo sexto ano, o Exame é constituído de uma prova objetiva, eliminatória, seguida de prova prática que simula situações de atendimento médico. O Exame de 2010 apontou um índice de aprovação maior (57%) de alunos na primeira fase em relação aos últimos três anos anteriores, mas por outro lado, houve reprovação maior (68%) em relação aos últimos cinco anos.

Luna Filho ressalvou que o exame não é obrigatório, mas de caráter voluntário. Além disso, há que se considerar que houve uma diminuição do número de participantes e com mais alunos de escolas particulares que públicas, enquanto nos anos anteriores foi o contrário. Ele lembrou ainda que das 30 escolas médicas do Estado de São Paulo, alunos de três delas não formaram as primeiras turmas. Isso significa que dos 2,3 mil estudantes que se formam nas 27 escolas de medicina por ano, apenas cerca de 23% realizam o exame. “Pelo fato de o exame não ser obrigatório, a distribuição dos participantes não é homogênea entre os cursos de medicina. Não é possível, portanto, estabelecer um ranking de desempenho das escolas. O número reduzido de participantes de várias escolas não permite avaliar o desempenho individual das instituições”, avalia.

“Um dos fatores do aumento de denúncias no Cremesp é a má formação médica”, aponta Luna Filho. Ele diz que em vários países, como Estados Unidos, Canadá e Austrália, há obrigatoriedade na adesão ao exame, cuja aprovação é condição básica para obter o diploma por uma escola médica.

A prova objetiva da primeira fase tem 120 questões distribuídas em nove áreas básicas de conteúdo. A nota considerada de corte é 6. Ou seja, para passar à segunda etapa, quando é aplicada a prova prática, é preciso acertar o mínimo de 60% (ou 72 questões).

Em 2010, a média obtida pelos presentes foi acerto de 74,5 pontos, dentre as 120 questões. O participante com nota mínima acertou 39 questões, e a maior nota foi o acerto de 107 questões.

Índice de reprovação
Embora o índice de reprovação na primeira etapa tenha diminuído em 2010, se comparado aos três anos anteriores, a segunda fase registrou o pior resultado desde a criação do Exame do Cremesp, há seis anos.

Podem ter contribuído para o elevado índice de reprovação na segunda fase, em 2010, o perfil dos participantes (menor participação de formandos de escolas tradicionais) e o teor de algumas questões (por terem sido selecionadas entre as melhores questões de anos anteriores, podem ter apresentado maior grau de dificuldade).

Estiveram representados no último Exame do Cremesp 23 cursos de medicina, dentre os 27 com alunos formados em 2010. Não participaram do Exame do Cremesp formandos de quatro escolas: Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Centro Universitário Barão de Mauá - Ribeirão Preto e Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP.

Neste ano participaram do Exame 17 formandos de outros Estados, que não foram considerados na tabulação final dos resultados.


Alunos participam da 2ª fase do Exame do Cremesp

Segunda fase reprovou 68% dos participantes

Baixo desempenho em Ciências Básicas e Clínica Médica
O desempenho dos participantes na primeira fase pode ser medido conforme áreas do conhecimento médico. Abaixo de 60% de acertos, o resultado por área de conhecimento é considerado insatisfatório. O Exame do Cremesp de 2010 demonstrou que há deficiências na formação dos participantes em campos essenciais da medicina.

Chamou a atenção o baixo índice de acertos em Ciências Básicas (54,14% de acertos), Saúde Pública/Epidemiologia (54,78%) e Clínica Médica (56,77%), especialidade que concentra a solução de muitos problemas de saúde da população.

Em 2010 o desempenho geral acima de 60% na primeira fase ocorreu nas áreas de Bioética, Saúde Mental, Clínica Cirúrgica, Ginecologia, Obstetrícia e Pediatria.

Participantes erram em situações comuns na prática médica
Questões que tiveram baixo índice de acertos podem revelar a falta de conhecimento dos participantes na solução de eventos frequentes no cotidiano da prática médica. Muitos daqueles que participaram da primeira fase do Exame do Cremesp de 2010 desconhecem o diagnóstico ou o tratamento adequado de problemas de saúde comuns e de doenças como sífilis, hanseníase e tuberculose.

Plenária divulga nota sobre avaliação do ensino médico
Em Sessão Plenária, realizada em 14 de dezembro de 2010, o Cremesp deliberou o seguinte posicionamento sobre a avaliação do ensino médico:

1 - O Cremesp defende a necessidade de um exame obrigatório ao final do curso de Medicina, realizado por instituição externa às escolas médicas;
2 - O Cremesp entende que o exame terminal obrigatório não exclui a proposta, a ser encaminhada ao MEC pelas entidades médicas, de exame de progresso ou sequencial ao longo do curso de Medicina (2º, 4º e 6º anos), realizado por instituição externa às escolas médicas;
 3 - Solicita a participação de um representante do Cremesp na Comissão Nacional das entidades médicas que discute, junto ao MEC, a avaliação da graduação em Medicina.

O exame prático da segunda fase é composto por 40 questões distribuídas em sete áreas de conteúdo. A prova, de formato interativo, simula no computador situações clínicas e problemas cotidianos da prática médica. Só realizam a segunda fase aqueles participantes que acertaram pelo menos 60% das questões da fase inicial.

Pela primeira vez, em seis anos, foi alto o índice de reprovação na segunda etapa: 68% (179 participantes dentre os 264 que realizaram a segunda fase) acertaram menos de 60% das questões, nota de corte utilizada pelo Cremesp para aprovação no Exame. Em 2009, nove participantes (4%) foram reprovados na segunda fase; em 2008, 26 participantes (10%) não passaram na etapa final.

Este conteúdo teve 547 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 299 usuários on-line - 547
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior