PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Luiz Alberto Bacheschi - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
José Augusto Cabral de Barros


ATIVIDADES 1 (pág. 4)
Encontros do Cremesp sobre as atualizações do novo CEM


ESCOLAS MÉDICAS (pág. 5)
Cremesp protocola documento junto ao MEC contra curso no interior do Estado


ATIVIDADES 2 (pág. 6)
Análise dos conflitos de interesses entre a categoria e empresas médicas


ATIVIDADES 3 (pág. 7)
Destaque para a reunião da Comissão Pró-SUS realizada em 17 de fevereiro


MOVIMENTO MÉDICO (pág. 8)
PLANOS DE SAÚDE


SAÚDE PÚBLICA
Confira a Portaria 104, do Ministério da Saúde, sobre notificação para doenças graves


GERAL 1 (pág. 11)
Medicamentos manipulados versus industrializados: riscos e cuidados


COLUNA DOS CONSELHEIROS DO CFM (pág. 12)
Canal de comunicação dos representantes de São Paulo no CFM


SAÚDE SUPLEMENTAR (pág. 13)
O atendimento gratuito de pacientes de planos de saúde


ALERTA ÉTICO (pág. 14)
Análises do Cremesp previnem falhas éticas causadas pela desinformação


GERAL 2 (pág. 15)
Participação do Cremesp em eventos relevantes para a categoria


ESPECIALIDADES (pág. 16)
Câmara Técnica do Cremesp mantém canal permanente de comunicação com o especialista


GALERIA DE FOTOS



Edição 279 - 03/2011

COLUNA DOS CONSELHEIROS DO CFM (pág. 12)

Canal de comunicação dos representantes de São Paulo no CFM


O “x” da questão

Desiré Carlos Callegari
desire@portalmedico.org.br

Logo após a divulgação de estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre a percepção dos brasileiros com respeito ao Sistema Único de Saúde (SUS), alguns veículos da imprensa se apressaram a apontar os médicos como os culpados pela insatisfação medida.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) agiu rápido e, oportunamente, divulgou uma nota em que esclarece o “x” da questão e corrige as distorções provocadas pelos que estão mais interessados em encontrar bodes expia¬tórios que resolver ou contribuir para a solução dos reais problemas.
 
O estudo do Ipea (que pode ser encontrado na íntegra do site www.ipea.gov.br) conclui que as principais queixas dos usuários são, por ordem, a falta de médicos, a demora no atendimento e no agendamento de uma consulta especializada. Até aí, nada de novo. Quem trabalha em hospitais, ambulatórios e postos de saúde públicos conhece bem essa realidade e se solidariza com a angústia da população.

Não entendemos a percepção mostrada pelo Ipea como uma crítica da sociedade aos médicos, enquanto categoria. Na verdade, os dados apenas refletem o descaso dos gestores do SUS (em todas as esferas), que demoram em apresentar soluções para a contratação de profissionais da saúde, especialmente da medicina, com remuneração adequada, condições de trabalho dignas e perspectiva de progressão.

Acreditamos que o estudo traz mais um argumento à pauta dos defensores da boa assistência. Ele desvela a necessidade imperiosa de o Congresso Nacional aprovar a regulamentação da Emenda Constitucional 29, que pode garantir mais verbas para assistência, e de criar a carreira do médico dentro do SUS. Este último tema – atualmente em debate dentro do Ministério da Saúde – é o caminho para levar a medicina às áreas onde não existem médicos ou sua contratação exige malabarismos, como nos rincões ou mesmo nas periferias dos grandes centros. 

Esse esforço para a interiorização da medicina é necessário. Ao contrário do que afirmam alguns, não há falta de médicos no Brasil, mas  concentração desses profissionais no Sul e Sudeste e no Litoral. Sem políticas de valorização, com garantia de remuneração adequada, de condições dignas de trabalho e com perspectivas de progressão funcional, a insatisfação registrada pelo IPEA permanecerá.

Por meio do CFM, os médicos continuarão a alertar as autoridades para as soluções possíveis. Como todos sabem, documentos com o diagnóstico da situação e com as sugestões para aperfeiçoar o funcionamento estão nas mãos do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e da presidente Dilma Rousseff. Esperamos que sejam úteis para uma virada de situação.

Afinal, “o Brasil tem direito a uma assistência pública em saúde de qualidade, resolutiva e atenta a diversidades regionais, sociais, étnicas e de gênero, entre outras, garantindo a todos os brasileiros acesso universal, integral e equânime ao atendimento médico-hospitalar, embasados na eficiência e na eficácia dos serviços e programas de promoção, prevenção e atenção”, como pontuou o CFM.


Dia 7 de abril de 2011 

Renato Françoso Filho

As entidades médicas nacionais promoverão, no dia 7 de abril próximo, o Dia Nacional de Paralisação de Atendimento aos Usuários de Planos de Saúde.

Essa decisão foi tomada durante o Fórum de discussão da saúde suplementar, que ocorreu na Associação Paulista de Medicina no mês de fevereiro, para o qual acorreram representantes das entidades médicas de todos os Estados.

Reuniram-se diretores dos Conselhos, das associações e dos sindicatos médicos para analisar e buscar soluções para o terrível panorama da medicina suplementar em nosso país, com a brutal desvalorização de nosso trabalho em níveis jamais vistos.

A proposta aprovada por aclamação implica que nesse dia não deveremos atender os pacientes de qualquer convênio em consultórios, hospitais e ambulatórios. Não realizaremos cirurgias eletivas, endoscopias, auditorias, consultas a usuários das autogestões, dos planos de saúde, cooperativas e das seguradoras. Deveremos assistir os partos e todas as situações que possam ser caracterizadas como urgência e emergência, preservando o nosso bem maior, que é o respeito que temos pela vida e que a população nos retribui com a sua confiança.
 
Essa decisão tomada pelas lideranças médicas já não vem sem tempo. Há anos é exigida pelos médicos que têm visto seu trabalho ser vergonhosamente desvalorizado. Estamos todos fartos de discursos não seguidos de ações práticas e que nada conseguem no sentido de sensibilizar os donos e dirigentes da medicina privada, que se locupletam com os lucros advindos da exploração de nosso conhecimento e dedicação à profissão.

A imersão incondicional, a carga excessiva de horas trabalhadas e a responsabilidade para com nossos pacientes nos impediram de perceber o quanto fomos perdendo através dos tempos em nossos honorários.

No entanto, de nada valerá a decisão de nossas entidades se cada um de nós não fizer a sua parte. De nós está sendo solicitado apenas que utilizemos este dia para dizer à sociedade a que ponto os empresários da medicina transformaram a saúde em uma rentável fonte de lucros. E de como a exploração do ser humano e do seu sofrimento podem ser utilizados para benefícios empresariais, sem escrúpulos, com o beneplácito da Agência Nacional de Saúde Suplementar, tão ágil a ditar regras e tão inerte em preservar a qualidade do serviço prestado e a relação que deveria ser honesta entre médicos e operadoras.

Nós, médicos, que fazemos da nossa prática diária de atender aos pacientes a nossa profissão e meio honesto de prover o sustento de nossas famílias, não temos mais o direito de nos omitir e, muito menos, de reclamar depois. Vamos parar de dizer que nossas entidades representativas nada fazem e, quando chamados a participar, não assumimos nossa tarefa.

Nossas entidades isoladamente nada podem fazer se nós não paralisarmos nossos atendimentos neste dia 7 de abril. Esse é apenas o marco inicial de uma longa caminhada na reconquista do respeito e reconhecimento que desejamos para o nosso trabalho e que nos é legitimamente devido.

*Desiré Carlos Callegari (titular) e Renato Françoso Filho (suplente) são representantes do Estado de São Paulo no Conselho Federal de Medicina


Este conteúdo teve 752 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 179 usuários on-line - 752
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior