PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Luiz Alberto Bacheschi - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
José Augusto Cabral de Barros


ATIVIDADES 1 (pág. 4)
Encontros do Cremesp sobre as atualizações do novo CEM


ESCOLAS MÉDICAS (pág. 5)
Cremesp protocola documento junto ao MEC contra curso no interior do Estado


ATIVIDADES 2 (pág. 6)
Análise dos conflitos de interesses entre a categoria e empresas médicas


ATIVIDADES 3 (pág. 7)
Destaque para a reunião da Comissão Pró-SUS realizada em 17 de fevereiro


MOVIMENTO MÉDICO (pág. 8)
PLANOS DE SAÚDE


SAÚDE PÚBLICA
Confira a Portaria 104, do Ministério da Saúde, sobre notificação para doenças graves


GERAL 1 (pág. 11)
Medicamentos manipulados versus industrializados: riscos e cuidados


COLUNA DOS CONSELHEIROS DO CFM (pág. 12)
Canal de comunicação dos representantes de São Paulo no CFM


SAÚDE SUPLEMENTAR (pág. 13)
O atendimento gratuito de pacientes de planos de saúde


ALERTA ÉTICO (pág. 14)
Análises do Cremesp previnem falhas éticas causadas pela desinformação


GERAL 2 (pág. 15)
Participação do Cremesp em eventos relevantes para a categoria


ESPECIALIDADES (pág. 16)
Câmara Técnica do Cremesp mantém canal permanente de comunicação com o especialista


GALERIA DE FOTOS



Edição 279 - 03/2011

ALERTA ÉTICO (pág. 14)

Análises do Cremesp previnem falhas éticas causadas pela desinformação



Paciente desordeiro

1) Como proceder em relação à paciente que causa desordem em hospital e chega até a ameaçar outros atendidos e equipe de saúde?
O texto-resposta abaixo agregou dois pareceres do Cremesp, com teores bastante parecidos: Quando o comportamento do paciente foge ao controle da equipe de saúde, pode-se interromper o tratamento?

Uma das situações refere-se a soropositivo, morador de rua, rebelde a tratamento e que, devido à dependência química, apresenta surtos de agressividade, tentando agredir profissionais da saúde que o atendem e ameaçando infectá-los com seringa cheia do próprio sangue.

Ponderemos neste caso: se o princípio de autonomia impede pacientes de serem tratados compulsoriamente, inclusive de Aids, também não se pode exigir que a equipe de saúde fique à mercê de surtos de agressividade do atendido, quando sua integridade física e saúde são colocadas em risco.

Se isso ocorrer, deve ser acionada a autoridade policial para encaminhamento do paciente em surto para unidade psiquiátrica em condições de tratá-lo.

Já a outra questão é mais genérica: Como agir com pacientes que causam problemas diversos na unidade de saúde?
Analisando a questão encaminhada, verifica-se que o relacionamento médico-paciente sofreu ruptura e que os médicos consideram que têm o direito de se recusarem a dar continuidade ao tratamento, notificando aos superiores hierárquicos da situação ocorrida – coisa que, a nosso ver, concorda com os princípios éticos.

Sim, o médico tem direito de renunciar ao atendimento desses pacientes, desde que sejam tomadas as cautelas necessárias: primeiro, é obrigado a atender, em risco iminente de morte.

Nos demais casos, como não é possível simplesmente abandonar os atendidos, e uma vez que não se caracteriza o estado de iminente risco de vida, o responsável pela unidade deverá comunicar aos pacientes (ou seus responsáveis legais) os motivos que levaram à decisão de não mais acompanhá-los, além de providenciar os contatos necessários para a transferência do atendimento a outra instituição de igual competência e qualidade.
Vale lembrar que abandono puro e simples de paciente é considerado antiético pelo Código de Ética, particularmente no item VII dos Princípios Fundamentais e no Art. 36 que estabelecem:

VII - O médico exercerá sua profissão com autonomia, não sendo obrigado a prestar serviços que contrariem os ditames de sua consciência ou a quem não deseje, excetuadas as situações de ausência de outro médico, em caso de urgência ou emergência, ou quando sua recusa possa trazer danos à saúde do paciente.

Art. 36 (é vedado ao médico) Abandonar paciente sob seus cuidados.
§ 1° Ocorrendo fatos que, a seu critério, prejudiquem o bom relacionamento com o paciente ou o pleno desempenho profissional, o médico tem o direito de renunciar ao atendimento, desde que comunique previamente ao paciente ou a seu representante legal, assegurando-se da continuidade dos cuidados e fornecendo todas as informações necessárias ao médico que lhe suceder.
§ 2° Salvo por motivo justo, comunicado ao paciente ou aos seus familiares, o médico não abandonará o paciente por ser este portador de moléstia crônica ou incurável e continuará a assisti-lo ainda que para cuidados paliativos.

Baseado nos Pareceres-Consulta nº 91.991/09 e nº 86.168/08 do Cremesp


Alerta Ético é uma coluna de responsabilidade do Centro de Bioética do Cremesp. Corresponde a resumos de questões publicadas na coluna FAQs, (originadas de pareceres e resoluções do Cremesp e CFM), disponível no site do www.bioetica.org.br


Este conteúdo teve 747 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 284 usuários on-line - 747
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior