PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Bráulio Luna Filho, presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Diretoria da EPM


INTERNET (pág. 4)
Avanços tecnológicos a favor da Medicina


IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS (ISS) (pág. 5)
Projeto de Lei 268/2015


INSTITUIÇÕES DE SAÚDE (pág. 6)
Emílio Ribas - 135 anos


EPIDEMIA (pág. 7)
MERS-CoV


TRABALHO MÉDICO (pág. 8 e 9)
Violência contra profissionais de saúde


EXAME DO CREMESP (pág. 10)
Valorização da iniciativa


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág. 11)
Projeto educacional


EU, MÉDICO (pág. 12)
Medicina: aprendizado & convivência


JOVENS MÉDICOS (pág. 13)
Hospital São Paulo


EDITAIS (pág. 14)
Informações úteis ao profissional de Medicina


BIOÉTICA (pág. 15)
Dilema da Maioridade Penal


GALERIA DE FOTOS



Edição 327 - 07/2015

INTERNET (pág. 4)

Avanços tecnológicos a favor da Medicina


Aplicativo permite compartilhar imagens e discutir tratamentos

Médicos devem ficar atentos e evitar exposição e identificação do  paciente no Figure 1, app disponível para Android, iOS e pela internet


Figure 1: casos podem ser solucionados por
áreas da Medicina

 

O compartilhamento de imagens médicas com outros profissionais pelo mundo tornou-se possível, com a chegada do aplicativo Figure 1. Ele possibilita a discussão dos casos e a troca de experiências entre profissionais e aspirantes – o público leigo também po­de acessá-lo gratuitamente.  Porém, os médicos devem ficar atentos e ter cuidado, principalmente para não expor o rosto ou partes do corpo que identifiquem o paciente, como sinais e tatuagens.

Em formato de comunidade, o aplicativo permite que os usuários pesquisem sintomas, recebam informações e encaminhem imagens para outros profissionais da saúde ao redor do mundo. A ideia é disseminar conhecimento e informações importantes para o tratamento de problemas de saúde de forma integrada e global.

No próprio aplicativo há uma ferramenta de bloqueio facial. Deve-se sempre borrar ou colocar uma tarja em partes do corpo que identifiquem o paciente, recurso que também está disponível na plataforma. Pessoas despidas e partes íntimas não devem ser expostas, exceto em casos em que realmente não há opção. As regras éticas, que os profissionais da Medicina devem seguir, são as mesmas já aplicadas em publicações, jornais e programas de televisão.

Todo protocolo de confidencialidade e moderação passa pela aprovação de uma equipe da empresa responsável pelo aplicativo, utilizado por mais de 150 mil pessoas no mundo, buscando garantir o anonimato do paciente.
 

Avanços tecnológicos

As novas tecnologias e o aumento do número de pessoas que estão na rede mundial de computadores se tornaram um importante instrumento para difusão de informação, além da promoção de ferramentas de serviço e utilidades. Todos passaram a ter acesso a informações médicas – inclusive pacientes –, possibilitando que haja atualização constante e dinâmica de conhecimentos.

Uma das possibilidades dos avanços tecnológicos é o barateamento de serviços, o que acaba ocorrendo também na prática médica. Por meio da internet, é possível enviar um laudo, para qualquer lugar do mundo, que ele chegará com a mesma qualidade. “Metade dos laudos radio­lógicos americanos estão sendo feitos em outros paí­ses porque é mais barato”, comenta Antônio Pereira Filho, diretor de comunicação do Cremesp. Para ele, está entrando em jogo uma questão econômica e os países que possuem mão de obra mais barata estão sendo procurados para realizar esses laudos.

Mas a universalização do conhecimento na internet ainda possui barreiras. As pessoas que têm acesso a diagnósticos online, o chamado telessaúde, são as que possuem maior poder aquisitivo, pois o preço do serviço ainda é alto. “No futuro, creio que será possível que todos tenham acesso a esse serviço, mas ainda não há uma integração”, diz Pereira Filho.

Porém, a telemedicina não pode substituir a consulta médica. Para se chegar a um diagnóstico é necessário a anamnese e raciocínio clínico, além do exame físico. O computador reconhece algoritmos, mas não tem a habilidade de escutar um pulmão, dialogar com o paciente ou interpretar uma face, lembra o diretor do Cremesp.
 


Escolas médicas

Unitau incentiva trote solidário


Palestra e apresentação de maracatu marcaram festa deste ano

 

A Faculdade de Medicina de Taubaté (FMT), ligada a Universidade de Taubaté (Unitau), adota há cerca de dois anos, o trote solidário para incentivar os alunos recém-chegados a criarem laços sociais com a comunidade e com os demais estudantes.

Os veteranos recebem os calouros apresentando a direção dos órgãos estudantis, suas competências e ações, e nesse período também são realizadas tarefas solidárias, como doação de mantimentos e produtos de higiene, medicamentos para a farmácia comunitária mantida pelos alunos (desde a primeira turma da faculdade), visitas aos asilos e doação de sangue junto com a comunidade, dentre outras atividades de cunho social e comunitário. Os estudantes com maior participação acumulam pontos e são premiados com livro, jaleco ou algum outro produto que ajudará em sua rotina acadêmica.
 

Mudança

Nos vestibulares de edições anteriores ao trote solidário, os universitários realizavam ações “não construtivas”, com o consumo de bebida na porta do prédio ou som alto. Porém, sempre antes desses eventos, a Pró-reitoria Estudantil realizava reuniões com os estudantes, pedindo colaboração e parceria para que não ocorressem exageros.

A lei municipal n°4558/11 acabou tornando proibida a realização de trotes na cidade de Taubaté, mas alguns casos isolados continuaram acontecendo. Para sanar esse problema, alunos do curso de Medicina se mobilizaram junto à universidade, com um trabalho de conscientização coletiva. Criou-se um Comitê de Ética, composto de ex-diretores dos três órgãos estudantis: Diretório Acadêmico Benedicto Mon­tenegro (DABM), Departamento Científico Benedicto Montenegro (DCBM) e Associação Atlé­tica Acadêmica Benedicto Montenegro (AAABM), para garantir mudanças de postura que todos se comprometeram a adotar.

Segundo a ex-coordenadora pedagógica da instituição, Valéria Holmo Batista, com essa modificação, notou-se um aumento espontâneo na adesão dos novos alunos aos três órgãos acadêmicos e na participação de atividades em geral, como festas e eventos esportivos da AAABM, além de melhorar o relacionamento entre todos. “Essas mudanças resultaram em uma união firme entre calouros e veteranos, como deveria sempre acontecer”, afirma.

 

 


Este conteúdo teve 485 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 7h às 21h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 358 usuários on-line - 485
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior