PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (Pág.2)
Bráulio Luna Filho


ENTREVISTA (Pág. 3)
William Saad Hossne


ALERTA TERAPÊUTICO (Pág. 4)
Krikor Boyaciyan*


INSTITUIÇÕES DE SAÚDE (Pág.5)
Psiquiatria


CONDIÇÕES DE TRABALHO (Pág. 6)
Violência


NOVA SEDE (Pág. 7)
Alteração de endereço


ENSINO MÉDICO 1 (Pág. 8)
Cremesp Educação


ENSINO MÉDICO 2 (Pág. 9)
NBME


EVENTOS (Pág.10)
Atualização


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (Pág.11)
Atividades do Conselho


EU MÉDICO (Pág. 12)
Antranik Manissadjian


SAÚDE SUPLEMENTAR (Pág. 13)
Planos de saúde


EDITAIS (Pág. 14)
Convocações


SAÚDE PÚBLICA (Pág. 15)
Zika vírus


GALERIA DE FOTOS



Edição 334 - 03/2016

CONDIÇÕES DE TRABALHO (Pág. 6)

Violência


Cremesp e Coren-SP fazem campanha
conjunta contra violência


47% dos médicos conhecem um colega que viveu algum
episódio de violência por parte de pacientes


Luna Filho, presidente do Cremesp, com a camiseta
da campanha Violência não resolve

 

O Cremesp e o Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP) realizaram uma ampla campanha visando debater a violência que tem atingido os profissionais da saúde. A intenção dos Conselhos foi mostrar uma realidade desconhecida do grande público, mas que, com frequência, provoca situações que atingem a rotina dos profissionais em seus locais de trabalho, e acabam prejudicando a própria população.  Os Conselhos acreditam que evitar as agressões e criar condições favoráveis de trabalho seja de interesse de toda a sociedade, que precisa se conscientizar de que os profissionais não são culpados pela falta de estrutura e de investimentos na Saúde. 

A iniciativa do Cremesp aconteceu baseada na pesquisa Percepção da Violência na relação médico-paciente, com médicos e com a população, realizada pelo Datafolha, em setembro de 2015. O estudo mostrou que a agressão contra médicos vem ganhando cada vez mais expressão, tanto no sistema público quanto privado de saúde. No Estado de São Paulo, 47% dos médicos conhecem um colega que viveu algum episódio de violência por parte de pacientes. Outros 17% foram vítimas e tiveram conhecimento de colegas que viveram essa situação, sendo que 5% deles sofreram agressão pessoalmente.

A pesquisa indicou que, tanto para os médicos quanto para a população, o fator desencadeante está na sobrecarga do sistema público de saúde, nas más condições de atendimento, com quantidade insuficiente de médicos, medicamentos, aparelhos e leitos, falta de fiscalização dos locais de trabalho e de capacitação dos todos os profissionais. “O principal motivo disso é a falta de estrutura para o atendimento à população. Nossos estudos mostram que a violência tende a criar ainda mais dificuldades para o sistema de saúde”, afirma Bráulio Luna Filho, presidente do Cremesp.

 

Enfermeiros

Sondagem realizada pe­lo Coren-SP, com 4.293 profissionais de enfermagem do Estado de São Paulo, mostrou que 77% deles já foram vítimas de violência. “A enfermagem sempre está na linha de frente do atendimento. O fato de ser uma classe composta majoritariamente por mulheres (85%) só agrava o quadro de violência. Precisamos, enquanto profissionais e mulheres, sair do silêncio”, afirma a presidente do Coren-SP, Fabíola de Campos Braga Mattozinho.

O Cremesp e o Coren-SP levaram a discussão do problema ao secretário de Segurança Pública do Estado, Alexandre de Mo­raes, em busca de soluções.

 


Campanha

Com o mote: “Quando um profissional de saúde é agredido, quem perde é o paciente”, a campanha de combate à violência contra profissionais de saúde ganhou os espaços publicitários no metrô, rádios da capital e interior e na internet, em sites, blogs e redes sociais. Além de cartazes em instituições de saúde e distribuição de camisetas, a imprensa realizou diversas matérias alertando a sociedade sobre a situação dos profissionais de saúde agredidos. Em seus veículos de comunicação –  jornal (veja anúncio na pág. 16), revista, site, redes sociais –, Cremesp e Coren-SP também uniram esforços pa­ra que os profissionais relatem e denunciem as situações de agressão.

 


Bolsa de estudos Cremesp

Centro de Bioética contempla 20 projetos em 2016


A Banca do Centro de Bioética divulgou a lista dos 20 projetos de pesquisa do Programa de Bolsas sobre Ética Médica e Bioética do Cremesp, que serão desenvolvidos em 2016.

O programa é promovido pelo Centro de Bioética do Cremesp, sob a coordenação do conselheiro Reinaldo Ayer de Oliveira.  Desde 2001, o projeto de bolsa de pesquisa incentiva alunos do 1° ao 5° ano de Medicina a desenvolver e valorizar o enfoque bioético na assistência. O bolsa para desenvolvimento dos projetos tem duração de 10 meses, com valor mensal de R$ 600.

Confira a seguir a lista de projetos e bolsistas contemplados:

 

Avaliação do conhecimento e aplicação assistencial dos fluxos e responsabilidades para a melhoria do atendimento em urgências e emergências. Bolsista: Felipe de Paula Albuquerque (FMUSP - Ribeirão Preto) / Orientador: Gerson Alves Pereira Junior

Projeto de Lei Nº 200/2015: o confronto à eticidade das pesquisas envolvendo seres humanos. Bolsista: Maria Carolina de Figueiredo (PUC-Campinas) / Orientador: Aguinaldo Gonçalves

Percepção dos residentes de Medicina do Hospital de Base de São José do Rio Preto acerca das diretivas antecipadas de vontade. Bolsista: Samuel Zuccaro Wajsman (Famerp) /Orientadora: Anielli Pinheiro Nakazone

Utilização de aplicativos de comunicação instantânea na prática médica: análise sobre o comportamento de médicos residentes perante esse dilema ético. Bolsista: Leonardo Valentini Arf (FIPA-Catanduva) / Orientador: Ricardo Alessandro Teixeira Gonsaga

Avaliação da confiabilidade do formulário Polst (Physician Orders For Life-Sustaining Treatment) para documentação das preferências de cuidados no fim da vida. Bolsista: Adriele Ferreira Neves (Unesp) / Orientador: Edison Iglesias De Oliveira Vidal

Violência contra a criança e o adolescente: discussão dos aspectos epidemiológicos e clínicos de pacientes atendidos na Casa de Saúde Santa Marcelina entre os anos de 2011 e 2015. Bolsista: Bruna Fernanda de Camargo (Faculdade Santa Marcelina) /Orientador: Claudio Barsanti

O tripé médico, paciente e cuidador. Uma visão bioética a partir da nova ferramenta de avaliação de qualidade de vida de crianças brasileiras portadoras de escoliose de início precoce. Bolsista: Lucas Mellaci Bergamascki (Santa Casa de São Paulo) / Orientador: Rodrigo Goes Medea de Mendonça

Dilemas éticos e limitações envolvidas no atendimento médico assistencial à mulher vítima de violência de gênero: revisão de literatura. Ângela Alves Correia de Souza (Universidade de Mogi das Cruzes) / Orientadora: Raquel Barbosa Cintra

Avaliação da percepção médica acerca dos aspectos éticos-legais envolvidos no exercício da Medicina no Brasil. Bolsista: Marina de Souza Bastos Lino (Unoeste) / Orientador: José de Oliveira Costa Filho

Participação do paciente na construção da conduta médica e a sua adesão em indivíduos com dores crônicas (Unoeste). Bolsista: Rafael de Oliveira Pena Neto / Orientador: José de Oliveira Costa Filho

Bioética e reprodução humana assistida: os dilemas encontrados frente às diretrizes éticas atuais na Região de Franca - SP. Bolsista: Rafaella Gregori Perduca (Centro Universitário Municipal de Franca) / Orientador: Frederico Alonso Sabino de Freitas

Recusa vacinal – Conhecimentos sobre suas consequências e aspectos éticos. Bolsista: Amanda Hayashida Mizuta (Faculdade São Leopoldo Mandic) / Orientador: Guilherme de Menezes Succi

Resultados inesperados ou negativos na atividade médica e na pesquisa científica - Discussão dos aspectos éticos. Bolsista: Renan Arthur Bosio Guimarães (Faculdade São Leopoldo Mandic) / Orientador: Regina Celia de Menezes Succi

Análise quantitativa e qualitativa do perfil bioético de trabalhos enviados ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade de Ribeirão Preto nos últimos três anos. Bolsista: Natália Inocêncio Pereira (Unaerp) / Orientador: Carlos Alberto Nogueira de Almeida

Suicídio e ideações suicidas entre acadêmicos de Medicina: quando iniciar a prevenção? Bolsista: Marília Martins de Moura (Unicid) /Orientador: Hélio Alvimar Loterio

Otimização das habilidades de atenção e terapêutica com psicoestimulantes: Abordagem Bioética do diagnóstico e tratamento do TDAH em crianças e adolescentes sob a visão de médicos especialistas. Bolsista: Giuliana Gisele Magalhães (Famerp) / Orientador: Gerardo Maria de Araújo Filho

Identificação da violência doméstica infantil no município de Sorocaba: Uma visão Bioética. Bolsista: Nicole Maldonado Giovanetti (PUC-Sorocaba) /Orientador: Luciana Maria de Andrade Ribeiro

A capacidade de tomada de decisão em idosos com câncer: Importância da avaliação cognitiva e o respeito à autonomia. Bolsista: Flávia Vieira Rezende (Facisb) / Orientador: Rodrigo Alves dos Santos

Avaliação da perspectiva de gestantes participantes de um ensaio clínico randomizado. Bolsista: Isabela Petermann Mazziero (PUC-Campinas) / Orientador: Marcelo Luis Nomura

Aplicação de uma escala de estadiamento clínico na gestão do acesso à cirurgia bariátrica do SUS: um estudo retrospectivo. Bolsista: Nicolas Chiu Ogassavara (FMUSP) / Orientador: Beatriz Helena Carvalho Tess

 

 


Este conteúdo teve 558 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 7h às 21h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 432 usuários on-line - 558
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior