PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Mauro Gomes Aranha de Lima


ENTREVISTA (Pág. 3)
Gonzalo Vecina


INSTITUIÇÕES DE SAÚDE (pág.4)
Hanseníase


SAÚDE PÚBLICA (Pág. 5)
Abelhas africanas


SAÚDE SUPLEMENTAR (Pág. 6)
Honorários médicos


ASSISTÊNCIA À SAÚDE (Pág. 7)
Hospital Universitário


PLATAFORMAS MÉDICAS DIGITAIS (Págs. 8 e 9)
Aplicativos


LITERATURA MÉDICA - (Pág. 10)
Nova publicação


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (Pág.11)
Inclusão social


EU MÉDICO (Pág. 12)
Manuel Mindlin Lafer


JOVENS MÉDICOS (Pág. 13)
RM


CONVOCAÇÕES (pág. 14)
Comunicados


BIOÉTICA (pág. 15)
União homoafetiva


GALERIA DE FOTOS



Edição 337 - 06/2016

INSTITUIÇÕES DE SAÚDE (pág.4)

Hanseníase


Instituto Lauro de Souza Lima contribui para
redução da hanseníase em São Paulo

 


Fachada do Instituto Lauro de Souza Lima, que realiza mais de 23 mil
consultas/ano de dermatologia

 

O antigo leprosário Asilo Colônia Aymorés, em Bauru (SP), é tristemente lembrado pela sua história de internações forçadas e centenas de doentes isolados. Foi assim desde sua fundação, em 1933, até meados dos anos 1960, quando se iniciou o período de desinternação, também forçada. Atualmente, o Instituto Lauro de Souza Lima – como foi rebatizado – é um centro de ensino e pesquisa para a hanseníase e outras doenças da pele, além de hospital. De colônia fechada para o mundo, da qual todos queriam se afastar, o instituto agora atrai estudantes e profissionais do Brasil e do exterior. “As pessoas tinham medo de passar por aqui. O instituto se tornou referência do Estado de São Paulo, o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde”, diz Wladimir Fiori Delanina, diretor clínico da instituição.

Os números mostram a mudança de perfil da doen­ça e das funções do instituto. Quando o diretor chegou ali, em 1977, havia cerca de 1,7 mil doentes e familiares morando na colônia. Hoje são 26 casas e 56 moradores, entre ex-pacientes e familiares. O hospital tem 60 leitos – no início de junho apenas 28 estavam ocupados –, reservados para casos graves e complexos, geralmente cirurgias. A maior parte da  produção do instituto é ambulato­rial: em 1977, foram feitas 29.505 consultas médicas, “a grande maioria em pacientes com diagnóstico de hanseníase”, diz o diretor. Em 2002, já com a diminuição do estigma da doença e a popularização do instituto como hospital de dermatologia, foram 22.831 consultas médicas, mas apenas 2.961 de portadores de hanseníase. No ano passado, somaram 23.485 consultas, 2.468 delas de hanseníase. As demais foram por diferentes doenças de pele. O instituto tem 333 funcionários e 23 médicos.

 

Preconceito

Doença milenar associada ao “pecado” e à pobreza, a “lepra” ganhou novo nome, mas ainda é cercada de estigma e desconhecimento por parte da população, e por profissionais da saúde, o que retarda o diagnóstico.

Esse quadro explica porque o Brasil não atingiu, em 2015, a meta estabelecida pela OMS para que a hanseníase fosse eliminada como problema de saúde pública. Para isso, o País deveria ter um máximo de um caso para cada 10 mil habitantes. A prevalência média, no Brasil, ainda é de 1,42 casos, puxada por Estados das re­giões Norte e Centro-Oeste, que concentram 80% dos doentes. No Mato Grosso, a prevalência chega a 9,03 casos por 10 mil habitantes, no Maranhão são cinco casos, no Tocantins e Pará, pouco mais de quatro. Na outra ponta estão o Rio Grande do Sul, com menos de 0,3 caso por 10 mil habitantes; Santa Catarina, com 0,4 caso; seguida de São Paulo, com taxa aproximada de 0,5 caso por 10 mil habitantes.

Em 2014, segundo dados do Ministério da Saúde, o Brasil teve 24.612 novas notificações de hanseníase, 1.793 delas na população com menos de 15 anos, e 31.568 pacientes em tratamento. Na década de 1980, eram cerca de 250 mil doentes em tratamento, número altíssimo, já que os casos eram tratados pela vida toda. A prevalência já caiu bastante porque o tratamento tem um começo e fim de no máximo dois anos.

 

Aumento da incidência

Na avaliação da equipe do instituto, ainda falta muito para o Brasil atingir a meta proposta pela OMS, já que a incidência de casos novos em crianças e jovens está aumentando. “Isto significa que há adultos contagiantes e sem diag­nóstico e tratamento”, afirma Noêmi Garcia de Almeida Galan, pesquisadora científica do instituto.

Doença infectocontagiosa que atinge a pele e o sistema nervoso, sem uma vacina específica, a hanseníase tem longo período de incubação. Mesmo na sua forma mais agressiva, o paciente só se torna transmissor depois de seis a oito anos, e já na primeira dose de polioquimioterapia, deixa de transmitir. “O diagnóstico precoce cortaria a cadeia. E também quando se melhoram as condições imunológicas do hospedeiro, a chance de desenvolver a doença é menor. Alimentação, saneamento e cuidados básicos de higiene, essa é a receita da prevenção”, diz Delanina.

Mas como a redução das desigualdades e da pobreza é um processo longo, o atalho é buscar maneiras de informar e sensibilizar população e profissionais de saúde. Esta é, justamente, uma das frentes de pesquisa que o instituto desenvolve. Em parceria com o Ministério da Saúde, a instituição vem produzindo modelos assistenciais, co­mo os procedimentos para diagnóstico, tratamento e prevenção de incapacidades. “Temos estudos para buscar compreender e intervir na representação social e psicológica que a doença traz ao indivíduo, fazendo-a escondê-la da família e da sociedade, retardando o diagnóstico e tratamento, o que contribui para aumentar as chances de desenvolver incapacidades permanentes”, diz Noêmi.

 

Produção científica

O instituto está envolvido em várias pesquisas básicas e aplicadas. Na área da imunologia, por exemplo, a instituição estuda imunomarcadores e anticorpos específicos que possam explicar por que algumas pessoas pegam a doença e outras não, ou por que algumas desenvolvem reações enquanto outras não, além de quais testes são úteis para se identificar familiares com o bacilo. Há também estudos na área da genética que buscam compreender a relação bacilo e hospedeiro e entre o bacilo e os medicamentos.

Outra frente de atuação do instituto é o ensino. A Residência Médica foi implantada ali ainda em 1977. O instituto também realiza o treinamento de profissionais de rede pública de saúde do Brasil e do exterior, sobretudo de países da África portuguesa. São 15 cursos regulares ao ano, de 40 horas cada. Também oferece campo de treinamento e estudo para estagiários e pesquisadores. Co­mo centro de referência estadual para atenção em Hanseníase, e como Centro de Referência Nacional para pesquisa e  ensino em Hanseníase para o Ministério da Saúde, o Instituto atua também co­mo Centro Colaborador da OPAS/OMS para trei­namento de pessoal em controle e pesquisa da doença.

 

 


Este conteúdo teve 591 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 289 usuários on-line - 591
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior