PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
O Encontro de Esperanças - Editorial de Isac Jorge Filho


ENTREVISTA
O convidado desta edição foi Jorge Machado Curi, presidente da APM


GERAL 1
A obrigatoriedade da revalidação de títulos de novos especialistas


AVALIAÇÃO DO ENSINO
Acertada data para a segunda fase da avaliação formandos em Medicina: 21/12


HONORÁRIOS MÉDICOS
Em foco o atual sistema de pagamento das entidades filantrópicas


FÓRUM
Acompanhe uma sinopse do I Fórum Regulamentador de Publicidade Médica


ATUALIZAÇÃO
A presença de corpos estranhos na cavidade abdominal


ENCONTRO DOS CONSELHOS
Destaques do encontro dos CRMs do Sul/Sudeste: formação médica e mercado de trabalho


EM DEFESA DO SUS
Em discussão, o orçamento da Saúde para o próximo ano, 2006


ARTIGOS
José Marques Filho escreve sobre "Novos desafios éticos"


AGENDA
Destaque: Krikor Boyaciyan é o novo presidente da Sogesp


NOTAS
Alerta Ético sobre a atuação do Perito Médico


GERAL 2
Parecer: cirurgião do aparelho digestivo pode realizar endoscopia cirúrgia?


ALERTA AOS MÉDICOS
Informe Técnico do CVE alerta os médicos sobre a febre maculosa


GALERIA DE FOTOS



Edição 219 - 11/2005

FÓRUM

Acompanhe uma sinopse do I Fórum Regulamentador de Publicidade Médica


Publicidade médica enganosa deve ser julgada
com maior rapidez

Aplicações de rito sumário e de penas exemplares para denúncias de propagandas abusivas foram algumas das propostas do evento promovido pelo Cremesp


Da E para D: Vidal Serrano, Ithamar Stocchero, Lavínio Camarim, Isac Jorge e Braz Martins Neto

A regulamentação da publicidade médica e a criação, nos Conselhos de Medicina, de uma Câmara especial para julgar exclusivamente e com mais rapidez a publicidade enganosa, foram as principais propostas do I Fórum Regulamentador de Publicidade Médica, promovido pelo Cremesp, em 8 de novembro. A iniciativa, inédita, veio ao encontro da preocupação do Conselho com o número crescente de denúncias registradas nesse setor, colocando em risco a segurança de pacientes.

O coordenador do Fórum, conselheiro Lavínio Nilton Camarim, acredita que o bom profissional não precisa lançar mão de material publicitário para autopromoção. Considerando que alguns profissionais de cirurgia plástica publicam fotos de pacientes “antes” e “depois” dos procedimentos cirúrgicos, Camarim pondera: “o número de queixas relacionadas à Cirurgia Plástica dispara em relação às demais especialidades, mas a publicidade em Ginecologia, Oftalmologia e Dermatologia também recebe várias denúncias”. No período de 1º de janeiro de 2000 a 31 de outubro de 2005, a publicidade médica ficou em quarto lugar no ranking das principais denúncias feitas ao Cremesp, atrás apenas de negligência (4.223 denúncias), relação médico-paciente (1.247) e perícias (1.206).

Estiveram presentes ao encontro, além do presidente do Cremesp, Isac Jorge Filho, o vice-presidente Desiré Carlos Callegari e o primeiro-secretário, Henrique Carlos Gonçalves. Também marcaram presença Antonio Gonçalves Pinheiro, vice-presidente do Conselho Federal de Medicina; Ithamar Nogueira Stocchero, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – Regional São Paulo; Vidal Serrano Nunes Júnior, promotor do Ministério Público Estadual e membro do Conselho Diretor do Instituto de Defesa do Consumidor; Braz Martins Neto, conselheiro e presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-SP; além de jornalistas especializados em Saúde, atuantes em jornais de grande circulação no Estado. 

Acompanhe, a seguir, um resumo dos temas mais polêmicos abordados durante o encontro.

Falsas promessas
A venda de “pacotes” para a realização de procedimentos cirúrgicos, divulgados na mídia como “cirurgia estética”, representa um mercantilismo inaceitável da Medicina, lembraram Isac Jorge e Lavínio Camarim. Esses pacotes colocam em risco a vida daqueles que se submetem aos procedimentos, na esperança de obter resultados milagrosos em curto prazo. Foi discutida de maneira enfática a necessidade urgente da criação de uma norma para o setor, que seja rigorosamente fiscalizada para seu cumprimento.

A maioria das propagandas voltadas para a cirurgia plástica não alerta os pacientes sobre o procedimento cirúrgico em si. Como qualquer outra técnica invasiva, a cirurgia envolve riscos que dependem não apenas da habilidade do profissional que a realiza, mas de fatores externos, biológicos e intrínsecos ao organismo do paciente. Todos estes fatores podem comprometer diretamente os resultados e o tempo de recuperação.

O presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – Regional São Paulo, Ithamar Nogueira Stocchero, afirmou que os cirurgiões plásticos não compactuam, em hipótese alguma, com esta mercantilização da Medicina: “estamos interessados em que as pessoas que cometem este tipo de divulgação enganosa sejam punidas. Não podemos permitir que todos os cirurgiões plásticos sejam comparados a esses maus profissionais”.

Cirurgias demonstrativas
Além da discussão em torno das cirurgias bariátricas e a maneira inconcebível como é feita a seleção de pacientes – por alguns consultórios – para que atinjam o Índice de Massa Corporal (IMC) que justifique a realização do procedimento, também foi abordada a questão de procedimentos cirúrgicos realizados ao vivo.
Isac Jorge lembrou: infelizmente, hoje em dia é comum encontrar cursos, em várias especialidades (gastroenterologia, oftalmologia, cirurgia plástica), que oferecem – como diferencial – cirurgias ao vivo. “Ninguém me convence que o estado emocional do cirurgião, ao operar um paciente com platéia acompanhando, é o mesmo do que quando realiza o procedimento tranqüilamente em seu ambiente de trabalho. Este tipo de prática deveria ser proibida”, opinou.

Fotos “antes” e “depois”
Entre os temas polêmicos citados no encontro, um mereceu destaque especial: as revistas femininas de estética. Todos os presentes concordaram que a divulgação de imagens está vinculada diretamente a uma promessa pura e simples de resultado comercial. Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – Regional São Paulo, a divulgação de imagens registrando antes e depois dos procedimentos cirúrgicos, anúncios ou matérias assinadas por cirurgiões plásticos, deveriam vir acompanhadas de um termo de responsabilidade de seus autores: “acredito que se o anunciante responder pelo que apresenta, com certeza, pensará ao menos duas vezes antes de colocar seu nome”.

Por outro lado, é saudável que o médico transmita uma imagem positiva da Medicina, não apenas como um profissional bem- sucedido, mas sempre buscando o bem-estar do paciente. Daí a necessidade das Câmaras Técnicas e dos Conselhos de Medicina de avaliar com cuidado, trabalhando de maneira específica em cada caso. Existem informações corretas em jornais e em revistas, que divulgam a ciência médica de uma maneira ética.

A OAB e a propaganda
O conselheiro e presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-SP, Braz Martins Neto, explicou que os advogados têm um Tribunal de Ética e Disciplina, composto por cerca de 80 funcionários, contabilizando atualmente perto de 18 mil processos disciplinares: “nosso Código de Ética nos dá o direito e o dever de punir quando verificamos que algum profissional avançou nas regras de conduta preestabelecidas. É preciso lembrar que a relação advogado/cliente é selada pela confiança, bastante semelhante à relação médico/paciente ”, explicou.

A posição do IDEC
Vidal Serrano Nunes Júnior, promotor do Ministério Público Estadual e membro do Conselho Diretor do Instituto de Defesa do Consumidor (IDEC), elogiou a proficiência do Cremesp como um dos órgãos de fiscalização ética do exercício profissional que melhor atuam. “Um exemplo de competência e dedicação”, disse.

O promotor acredita ser importante entender que a publicidade comercial não deve ser confundida com liberdade de informação jornalística: “quando falamos em restrição da propaganda comercial é comum as pessoas confundirem com censura. São aspectos diferentes. Coibir o direito de opinião ou da liberdade de informação jornalística, é reprimir os direitos de liberdade, pressupostos da democracia”.

No caso específico da propaganda que envolve os procedimentos médicos e o profissional da Medicina, Serrano Júnior lembrou que é preciso estabelecer se a relação médico/paciente é de consumo, submetida ao Código de Defesa do Consumidor: “quando o paciente se dirige a um consultório médico procurando serviços, acredito que temos, aí, uma relação civil, não submetida ao Código”, explicou. “Mas se compreendemos a Medicina como atividade econômica divulgada amplamente pelos meios de comunicação com promessas de resultados, passamos a subverter essa relação jurídica, aí sim submetida ao Código de Defesa do Consumidor”, complementou.

Uma publicidade é enganosa não somente porque mente em relação a resultados e procedimentos, mas também porque omite informações muitas vezes relevantes para o consumidor. E o Artigo nº 66 do Código de Defesa do Consumidor considera crime esta abordagem.

Fórum permanente
Ao final, Lavínio Camarim sugeriu a criação de um fórum permanente, que estabeleça parcerias com instituições já formalizadas para a busca do compromisso com a decência na mídia; a ampliação da capacidade deste primeiro fórum para o avanço rápido nas propostas discutidas; e a aplicação do rito sumário para denúncias de processos devido a de propagandas abusivas, a partir da implantação de Câmaras específicas para esse fim, capazes de aplicar penas exemplares, que reduzam eficientemente as reincidências.


Este conteúdo teve 645 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 361 usuários on-line - 645
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior