PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
2006: realizações voltadas para a classe médica e a comunidade


ENTREVISTA
Ameresp: a influência positiva da nova liderança nas conquistas atuais dos residentes


ATIVIDADES DO CREMESP 1
Dúvidas sobre o recadastramento? Veja as respostas para as mais comuns...


ATIVIDADES DO CREMESP 2
Educação Continuada - programação 2007: próximo módulo acontece em fevereiro. Participe!


LIVROS 1
Novas publicações Cremesp. Simplesmente imperdíveis. Acesse, via web


LIVROS 2
O Médico e a Justiça. Publicação do Cremesp avalia ações judiciais contra médicos


ESPECIAL
Uma análise sobre a delicada relação entre médicos e indústria farmacêutica


GERAL
Incor, Santa Casa de Franca, Emílio Ribas: Cremesp avalia crises nos hospitais


ENCONTRO SUL-SUDESTE
Veja o que foi discutido no 21º Encontro dos CRMs do Sul/Sudeste, realizado em novembro, em Porto Alegre


ATUALIZAÇÃO
AVC Agudo: o tratamento do paciente sob o ponto de vista de um especialista


ACONTECEU
Acompanhe as participações do Conselho, em dezembro, em eventos pertinentes à classe


ALERTA ÉTICO
Como prestar atendimento médico a encarcerados e foragidos da justiça?


CURSOS & EVENTOS
Atualize-se: confira cursos e eventos que acontecem em janeiro e fevereiro de 2007


HISTÓRIA
Hospital de Base de S.J. do R.Preto: pioneiro em procedimentos de alta complexidade


GALERIA DE FOTOS



Enviar este link por e-mail
Edição 232 - 12/2006

ESPECIAL

Uma análise sobre a delicada relação entre médicos e indústria farmacêutica


Médicos e indústria farmacêutica

Conselheiro do CFM defende regras para esta relação problemática

Brindes, patrocínios a congressos, pagamento de viagens e hospedagem, educação continuada: quais são os limites do relacionamento entre médicos e indústria farmacêutica? O conselheiro-corregedor do Conselho Federal de Medicina, o cardiologista Roberto Luiz d´Ávila (foto ao lado), responde: “ninguém sabe quais são os limites, mas uma coisa é certa, precisamos estabelecer algumas regras mínimas”. D´Ávila, que também é professor-adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina, falou sobre o tema – “Conflitos de Interesse entre a Indústria Farmacêutica e os Médicos” – durante plenária dos conselheiros do Cremesp, no dia 28 de novembro, presidida por Desiré Callegari.  O foco de sua fala foi a indústria farmacêutica, mas o conselheiro do CFM observou que o mesmo assunto poderia abranger a indústria de equipamentos médico-hospitalar, “que também tem feito um marketing muito agressivo”.

Sabe-se que 30% de todo orçamento da indústria farmacêutica é investido em marketing e publicidade. A acirrada disputa comercial faz com que a indústria farmacêutica treine constantemente os propagandistas com estratégias de vendas e abordagem; esteja sempre criando campanhas publicitárias e, principalmente, investindo fortemente no patrocínio de congressos, simpósios e jornadas, e na oferta de benefícios individuais. “Nem mesmo as festas de aniversário de formatura escaparam do cerco da indústria. Na festa de 30 anos de formatura da minha turma, vários colegas estavam com uma camiseta de um laboratório, que possivelmente havia financiado a presença do disc-jockey da festa e, por isso, tivemos que escutar uma palestra sobre Dor e Coração, que falava de um antiinflamatório”, lamentou d´Ávila.

Denúncias
As denúncias apontam também: médicos falam, em eventos científicos, favoravelmente sobre drogas de laboratórios que estão patrocinando sua viagem e hospedagem, sem citar o conflito de interesses; médicos recebem “salários por fora” de laboratórios a título de colaboração pela participação em congressos ou outros eventos; médicos aceitam presentes, dinheiro e convites de viagem patrocinados por laboratórios e, como contrapartida, receitam remédios dos patrocinadores; laboratórios interferem na pauta de eventos e de publicações médicas em troca de patrocínio.

A Resolução do CFM nº 1.595/00 obriga o médico que fala em eventos científicos a esclarecer se está sendo patrocinado ou não pela indústria farmacêutica. “Porém não temos pessoal para fiscalizar todos os eventos e saber quem falou ou não”. Esse jogo, alertou, “tem essa característica: ouve-se falar, há muitas denúncias, mas ninguém consegue provar”.

As denúncias não ocorrem apenas no Brasil. D´Ávila citou, por exemplo, uma frase do JAMA (Journal of the American Medical Association), de 2001: “A indústria farmacêutica possui os médicos e dita o curso da educação e da pesquisa e, em última análise, da própria prática da medicina em níveis previamente inimagináveis”. Outra grave denúncia citada pelo conselheiro do CFM é a de que os laboratórios não publicam os resultados negativos de pesquisas realizadas em centros médicos.


Plenária do Cremesp: D´Ávila fala aos conselheiros paulistas

A ingerência da indústria farmacêutica na prescrição de medicamentos foi tratada na matéria “Farmácia espiona médicos para laboratórios”, publicada pelo jornal “Folha de S. Paulo”, em 4 de setembro de 2005. Em recompensa, dizia a reportagem, esses laboratórios estariam presenteando os médicos com brindes, viagens e inscrições em congressos. O controle da fidelidade do médico seria feito por meio de farmácias e drogarias que, em troca de brindes e dinheiro, repassavam para os laboratórios cópias das receitas aviadas. Segundo D´Ávila, esta é “uma invasão irregular da privacidade do médico e, mais grave, da vida do paciente”. O diretor médico da Boehringer Ingelheim do Brasil, José Carlos Breviglieri, em debate publicado pela revista “Ser Médico”, editada pelo Cremesp, afirmou: “Não vamos chamar de controle, mas de pesquisa. Isso não é feito pela indústria farmacêutica diretamente, mas sim por outras empresas que não pertencem ao setor. E vendem para a indústria farmacêutica”.

Pesquisa
Pesquisa publicada no JAMA, em janeiro de 2000, analisou 29 estudos sobre o relacionamento entre médicos e indústria farmacêutica e concluiu pela existência desses resultados negativos:

- prescrição não-racional;
- prescrição crescente de fármacos mais recentes e mais caros sem vantagem demonstrada sobre os antigos da mesma classe;
- os médicos demonstraram “falta de preocupação com a influência de presentes, material promocional, refeições e almoços de trabalho”, que estão na origem do favorecimento da companhia com a qual interagem.

“Todos concordam que há abusos” no relacionamento entre médicos e indústria farmacêutica, disse D´Ávila, lembrando uma apresentação que fez a um conselho científico de uma entidade médica com a presença de representantes das sociedades de especialidades. “Todos concordam que deve haver regras, mas ficam preocupados com a interrupção da educação médica continuada na qual a industria farmacêutica – nós reconhecemos isso – tem tido um papel importante”, completou.

O médico tem, segundo o conselheiro do CFM, algumas obrigações que ele chama de fiduciárias, uma vez que o profissional “não é o cliente do fabricante de medicamentos”. São elas:

- O médico não tem direito legítimo aos privilégios da relação cliente-fornecedor;
- O cliente do fabricante é o paciente. É quem compra o medicamento e é o único que se submete aos riscos e benefícios do tratamento;
- O médico deve prescrever o medicamento mais seguro, eficaz, de menor custo, baseado em julgamento clínico imparcial e científico;
- Qualquer motivo da parte do médico, que não seja o benefício do paciente, é injustificável.

O brinde – observou o corregedor do CFM – é custeado com o dinheiro que os pacientes empregaram na aquisição de medicamentos. “O médico é quem decide qual medicamento os pacientes compram. O brinde pode ser considerado como uma tentativa de suborno, ou uma tentativa de influenciar a compra, que é de fato a intenção da indústria”. Se alguns médicos acreditam que os pequenos brindes são aceitáveis, “por que não deveriam receber os de maior valor?, questionou.

Medidas restritivas: propostas
“Há experiências de regulação bem-sucedidas em outros países”, opinou D´Ávila. Segundo ele, as regras devem abranger tanto os pequenos brindes como os grandes benefícios e vantagens. É possível – defendeu – promover educação continuada por meio de parcerias, livros, congressos, jornadas, sem patrocínio da indústria. “Se quiser colocar um estande no congresso, pode, mas não queremos brindes, canetas, almoços”. Isso – reconheceu – pode criar obstáculos para os residentes ou médicos com baixo poder aquisitivo, “mas as sociedades de especialidades vão ter que suprir isto e criar mecanismos alternativos”.

A dependência da indústria poderia ser evitada, sugeriu o corregedor, se os congressos fossem mais simples. “Tem congressos que tem até shows com artistas, pagos por laboratório. É absolutamente desnecessário”.

O tema da palestra do corregedor do CFM suscitou um acalorado debate entre os conselheiros, muitos dos quais se posicionaram a respeito. Algumas das sugestões e comentários foram:

- Criar, em relação aos médicos e indústria farmacêutica, organismos similares à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e Comitê de Ética em Pesquisa (CEP), que funcionam bem no campo da bioética;
- Aprovar Resolução proibindo a presença de propagandistas em hospitais, uma vez que nos consultórios não se pode proibir;
- Acionar o Ministério Público nos casos mais graves, que caracterizam-se como corrupção: porcentagem no custo de próteses, participação no preço do medicamentos etc;
- Fortalecer a luta contra a abertura indiscriminada de escolas médicas, para evitar que médico mal formado chegue ao mercado de trabalho;
- Lutar pela quebra de patentes de medicamentos e incrementar genéricos;
- Colocar no Código de Ética capítulo sobre o conflito de interesse;
- Focar também a Academia, onde a relação com a indústria farmacêutica “é muito complicada”.
- Realizar um fórum sobre o assunto convidando o CFM e as sociedades de especialidade, a exemplo do que foi feito em 2004 pelo Cremesp.

Os números

- EUA: mercado de US$ 58 bilhões/ano, US$ 165 milhões em propaganda e US$ 3,1 bilhões em salários, treinamento, premiações, etc
- Brasil: segundo dados da Febrafarma (Federação Brasileira da Indústria Farmacêutica), as vendas de medicamentos alcançaram 17 bilhões de reais em um período de 12 meses (abril de 2003 a março de 2004);
- Vendas no Brasil: multinacionais responderam por 60% da participação e a indústria nacional 40%;
- Brasil: 550 laboratórios, 11ª posição no ranking do mercado farmacêutico mundial em relação às vendas do varejo, com 1.5 bilhão de caixas de remédios vendidas em 2003. A previsão dos fabricantes de remédios é que o setor cresça de 7 a 10% /ano;
- Nos últimos 10 anos foram investidos no Brasil R$ 1,5 bilhão em pesquisa e desenvolvimento;
- Segundo pesquisa do Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal, houve um aumento de 23% em média no preço dos medicamentos de janeiro a novembro de 2003, e a aspirina aumentou 60%.

Legislação

Código de Ética Médica
- Artigo 8º: O médico não pode, em qualquer circunstância ou sob qualquer pretexto, renunciar a sua liberdade profissional, devendo evitar que quaisquer restrições ou imposições possam prejudicar a eficácia e correção de seu trabalho;
- Artigo 9º: A medicina não pode, em qualquer circunstância ou de qualquer forma, ser exercida como comércio;
- Artigo 10: O trabalho médico não pode ser explorado por terceiros com objetivos de lucro, finalidade política ou religiosa.

Resolução CFM nº1595/00
É vedado:
- Vinculação da prescrição médica ao recebimento de vantagens materiais oferecidas por laboratórios ou empresas de equipamentos de uso na área médica.
- Proferir palestras ou escrever artigos divulgando produtos farmacêuticos ou equipamentos, sem declarar os agentes financeiros que patrocinam suas pesquisas.

Anvisa RDC 102/00
- É proibido oferecer ou prometer prêmios ou vantagens aos profissionais de saúde habilitados a prescrever ou dispensar medicamentos e que  exerçam atividade de venda direta ao consumidor.
- Os profissionais de saúde não podem solicitar ou aceitar nenhum incentivo se esses estiverem vinculados à prescrição, dispensação ou venda.



Este conteúdo teve 9 acessos.

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua da Consolação, 753
Centro - São Paulo/SP - 01301-910

Sub-sede: Rua Domingos de Moraes, 1810
Vila Mariana – São Paulo/SP - 04010-200

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 5908-5600 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE
Consolação e Vila Mariana - das 9h às 18h

 

 

 

Rede dos conselhos de medicina:
© 2001-2014 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 36 usuários on-line - 9