Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 17-08-2017
    Opinião
    Confira o artigo de Carlos Vital: "A má gestão da saúde pública"
  • 17-08-2017
    Concurso público
    HCFMUSP divulga concurso público com 13 vagas para médicos
  • 17-08-2017
    Institucional
    Presidente do Cremesp, Lavínio Nilton Camarim, recebe homenagem da Santa Casa de Franca
  • 16-08-2017
    Saúde Suplementar
    Veja São Paulo mostra que exclusão de cobertura lidera processos contra planos de saúde
  • Notícias


    04-04-2017

    Placentofagia

    Krikor Boyaciyan e Luiz Camano

    O destino  que se dá à placenta na espécie humana resulta de vários aspectos relativos à tradição, cultura, religião, crenças e superstições. Habitualmente, ela e seus anexos são descartados. Alguns preservam parte da sua estrutura, como os japoneses, que guardam o cordão umbilical. Há outros que enterram a placenta: os maoris, da Nova Zelândia; os esquimós; e os índios navajos dos Estados Unidos. Alguns comem a placenta: é a chamada placentofagia, praticada no norte da Califórnia e em certas regiões do Reino Unido.

    A placentofagia é praticada por múltiplas razões: por aumentar o bem estar devido à presença de prostaglandinas e ocitocina, promover a involução uterina, aumentar a produção de leite, diminuir a depressão pós-parto, obter efeitos estéticos e melhorar a imunidade.

    Ressaltamos que não são bem conhecidos os riscos da placentofagia e que poderíamos equipará-los ao consumo de vísceras não controladas do ponto de vista sanitário. Assim, protozooses, infecções bacterianas e virais podem ser transmitidas. Duas doenças oriundas de ingestão de alimentos impróprios e causadas por príons (proteinaceus infectious particles) também devem ser consideradas: a encefalopatia espongiforme e o Kuru (doença dos canibais).

    Príons são agentes infecciosos, não vivos, formados por moléculas protéicas aberrantes, que no encéfalo induzem a troca de conformação das proteínas normais, causando doenças neurodegenerativas fatais em mamíferos.

    Em atenção a todas essas considerações, a placentofagia não deveria ser praticada.

    A Anvisa estipula que a paciente ou a família realize requisição prévia, informando que pretende levar a placenta que, destarte, não deverá ser considerada como resíduo de serviço de saúde. Destaca, também, que a instituição deve dispor de procedimentos para acondicioná-la de forma adequada, proporcionando a entrega do material com segurança e preservando-a da ação do tempo.

    Julgamos que o médico não deve recomendar, aconselhar ou indicar a placentofagia. Porém, respeitando o princípio da autonomia, deve compartilhar com a paciente suas convicções, na procura da solução adequada. No diálogo, o médico deve sempre preferir a inteligente persuasão em lugar da arrogante imposição.

    Krikor Boyaciyan é Doutor e mestre em Obstetrícia pela Unifesp, conselheiro, diretor corregedor e coordenador da Câmara Técnica de Ginecologia e Obstetrícia (CTGO) do Cremesp.

    Luiz Camano é Professor titular emérito de Obstetrícia pela Unifesp e membro da CTGO do Cremesp.


    Este conteúdo teve 5336 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede - Consolação: Rua da Consolação, 753
    Centro - São Paulo/SP - 01301-910

    Sede - Luís Coelho: Rua Luís Coelho, 26
    Consolação - São Paulo/SP - 01309-900

    Subsede - Vila Mariana: Rua Domingos de Moraes, 1810
    Vila Mariana – São Paulo/SP - 04010-200

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 5908-5600 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2017 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 186 usuários on-line - 5336
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior