PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
Análise sobre Urgência e Emergência e entrevista com Tom Zé: destaques desta edição


ENTREVISTA
Tom Zé: "Persistindo os médicos, os sintomas deverão ser consultados"


CRÔNICA
Entre a saudade e a nostalgia - Tebni P. Saavedra


BIOÉTICA
Debate discute pesquisas com seres humanos


ENSINO
Renato Sabbatini aborda a reciclagem profissional de qualidade


SINTONIA
"A Teoria do Caos e a Medicina", por Moacir Fernandes de Godoy


ESPECIAL
Urgência e Emergência: situação crítica no sistema público de saúde


EM FOCO
Memórias de cárceres: Luiz Guedes e Eleonora Menicucci


COM A PALAVRA
Artigo do cardiologista Luiz Carlos Pires Gabriel


LIVRO DE CABECEIRA
Destaques: A Conquista da Felicidade e O Físico


CULTURA
Michelangelo - Lição de Anatomia


HISTÓRIA DA MEDICINA
A Medicina islâmica em Córdoba e Toledo


GALERIA DE FOTOS


Edição 29 - Outubro/Novembro/Dezembro de 2004

LIVRO DE CABECEIRA

Destaques: A Conquista da Felicidade e O Físico

A conquista da Felicidade

Escrito em 1930, mas com tema comum a qualquer momento da história da humanidade, A Conquista da Felicidade (Editora Ediouro) é uma espécie de manual de auto-ajuda avant la lettre que contém sábios conselhos para o homem do século XXI.

Com simplicidade e precisão, o matemático e filósofo Bertrand Russell disseca os fatores que contribuem para a infelicidade humana, como a competição, a inveja, o tédio, a excitação, a fadiga, o sentimento de pecado, a mania de perseguição e o medo da opinião pública. Isso feito, o autor passa a analisar os elementos que podem tornar possível a felicidade – o entusiasmo, o afeto, a família, o trabalho, os interesses impessoais, o esforço e a resignação.

O leitor constata que os tempos podem ser outros, mas que a civilização anterior à Segunda Guerra Mundial, alheia à ameaça nuclear, à tecnologia de ponta e ao estresse, já vivenciava problemas muito comuns nos dias de hoje. Verá ainda que Bertrand Russell, com seu estilo franco, freqüentemente polêmico e por vezes irônico – mas sempre cortês – estava à frente de seu tempo. Uma prova de que o ser humano, nas últimas décadas, pode ter se superado em todas as áreas – da ampliação dos direitos civis à conquista do espaço; dos avanços da medicina às garantias trabalhistas das ges-tantes; da mecanização do trabalho à inovação dos métodos pedagógicos – mas manteve sempre a busca de seu bem mais precioso.

Com erros e acertos, como mostra Russell, em meio à luta pela sobrevivência, por status e riqueza, o homem moderno ainda procura o caminho que o levará a fruir desse sentimento de valor inestimável. Mas, como alerta o autor, que ninguém pense ser este um
presente dos deuses. A felicidade é, antes de tudo, um bem a ser conquistado.

Luiz Henrique Paschoal
Dermatologista, diretor da Faculdade de Medicina do ABC

O Físico

Ainda que a edição brasileira tenha cometido um grave erro de tradução no título do livro (o correto seria “O médico”), esta obra de Noah Gordon (Editora Rocco) congrega importantes aspectos da vocação e da prática médica a uma rica e detalhada revisão histórica das civilizações ocidentais e orientais no século XI.

Gordon, autor de diversos best-sellers nos Estados Unidos, através de uma narrativa rica e empolgante, descreve a epopéia de Rob Cole, homem dotado do poder quase místico de sentir, através do toque, se as pessoas enfermas iriam ou não sobreviver. Cole, inicia-se na Inglaterra, como aprendiz de um barbeiro-cirurgião, o qual prontamente descobre os dons do novo aprendiz. Ambicioso e ávido por novos conhecimentos, Cole deixa a Inglaterra, então dominada pelo obscurantismo e pela brutalidade nos costumes, e parte em busca dos ensinamentos do Oriente, que vivia a idade de ouro da civilização árabe e judaica. Ao saber da existência de uma ótima escola médica na Pérsia, parte decidido a ser aprendiz de um famoso médico que lá ensina. Como cristão, sabia que não teria acesso às universidades muçulmanas. Resolve, então, assumir a identidade de um judeu, tendo por isso que viver ricas e curiosas aventuras.

Nesse contexto, o autor nos permite descobrir e conhecer importantes aspectos da cultura, da vida, da
religião e dos rituais do povo judeu, num passeio histórico ao mesmo tempo leve e detalhado.

Além de uma rica viagem pelo mundo antigo, “O Físico“ trata, sobretudo, da vocação e da arte no exercício da Medicina e de como era exercida a prática Médica na ausência quase total de recursos técnicos. Em resumo, parafraseando a escritora Belva Plain, “O Físico” é a história da aventura de um desses raros homens que nasceram para serem médicos.

Carlos Alberto Garcia Oliva
Pediatra, São Paulo



Este conteúdo teve 1616 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 212 usuários on-line - 1616
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior