PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
Nesta edição, um grande debate sobre a propaganda de medicamentos de venda livre


ENTREVISTA
Polêmico e verdadeiro, o cineasta Ugo Georgetti fala sobre futebol. Imperdível!


CRÔNICA
Pasquale Cipro Neto: texto sempre bem-humorado e incontestável quando o foco é nosso idioma...


CONJUNTURA
Telemonitoração, Telehomecare, Telecirurgia Robótica. A Medicina Digital já é realidade


MEIO AMBIENTE
Edwal Campos Rodrigues, infectologista, alerta p/a necessidade de normatização na fiscalização de resíduos hospitalares


SINTONIA
Conheça um pouco da vida de Camilo Salgado, cultuado como santo popular no Pará


DEBATE
Debate sobre a propaganda de medicamentos: Sim ou Não?


HISTÓRIA DA MEDICINA
Hospital Santa Catarina: dedicação e perseverança desde sua fundação, em 1906


GOURMET
Não duvide: tem médico à frente de tradicional padaria no Bixiga...


EM FOCO
Vamos rodar pela Transamazônica numa expedição dedicada à saúde?


ACONTECE
Uma visita educativa - virtual - ao Museu da Língua Portuguesa


CULTURA
José Bertagnon: médico pediatra e artista premiado internacionalmente


TURISMO - CHILE
Viaje conosco até o Chile e conheça Puerto Williams e Porvenir. Inesquecíveis!


CARTAS & NOTAS
Pesquisa Datafolha mostra que a Ser Médico tem 100% de aprovação


LIVRO DE CABECEIRA
Sugestão de leitura para quem gosta de histórias de terror realista: Colapso...


POESIA
A poesia "Civilização Ocidental", de Agostinho Neto, finaliza com brilho esta edição


GALERIA DE FOTOS


Edição 35 - Abril/Maio/Junho de 2006

CRÔNICA

Pasquale Cipro Neto: texto sempre bem-humorado e incontestável quando o foco é nosso idioma...




De onde vem “a lei de talião”?
Pasquale Cipro Neto*

Quando se discute a questão da criminalidade, sempre há quem defenda a aplicação da lei do “olho por olho, dente por dente”, que consiste em impor ao delinqüente castigo idêntico ao delito por ele praticado. Costuma-se chamar essa “lei” de “pena de talião”. Ou será “Talião”?

Quem grafa “Talião” talvez suponha que se trate de personagem histórico, possivelmente o “pai” da lei. Surge, então, o mistério: quem terá sido esse tal de Talião? Quando viveu? Onde nasceu? Que fim levou?

O senhor “Talião” nunca existiu. Trata-se apenas da forma portuguesa de “talionis” (do latim), da mesma família de “talio”, “talis”, “tale”, da qual provém a nossa palavra “tal”, que tem, entre outros, o significado de “semelhante”, “igual”, “análogo”, e se usa também nas expressões “tal qual” e “tal e qual”, que indicam idéia de igualdade. No “Aurélio”, o primeiro exemplo que se dá no verbete “tal” é este: “Tal amor não se encontra facilmente”. Na frase, “tal” corresponde a “semelhante”, “igual”. A lei é de talião justamente porque determina que o criminoso sofra tal qual fez sua vítima sofrer.

Por falar em “Aurélio”, no verbete “pena” encontra-se a expressão “Pena de talião” e nela a seguinte observação: “Atenção: escreve-se ‘talião’, com minúscula, pois não é nome próprio”. Sobra o gostinho de quero mais, já que o dicionário não explica detalhadamente de onde vem a expressão.

A lei de talião lembra “retaliar”, que vem do latim “retaliare” e é da mesma família de “talio”, “talionis”, ou seja, de “talião”. Significa “tratar segundo a lei de talião”, “revidar com dano igual ao dano recebido”, “impor a pena de talião”.

“Retaliar” e “retaliação” são duas das palavras mais ouvidas e lidas depois dos atentados ocorridos nos Estados Unidos em 2001. Para muitos, no entanto, esses atentados é que foram a própria consumação da “lei de talião”, ou, para os que preferem alguns versos de Geraldo Vandré, foram “a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar” (a bela canção “Aroeira”). Até a data da derrubada das torres gêmeas (11 de setembro, dia do golpe contra Salvador Allende, no Chile) foi arrolada por muitos como prova da concretização da tal lei. Como se sabe, o golpe no Chile, ocorrido em 1973, foi um dos tantos que contaram com a decisiva participação da CIA.

É bom não confundir “retaliar” com “retalhar” ou “retaliação” com “retalhação”. A semelhança fonética pode produzir estragos. “Retalhação” é “o ato de retalhar”, ou seja, transformar em retalhos.

Pois bem, dadas as circunstâncias, “talião”, “retaliar” e “retaliação” foram apenas um pertinente pretexto para um breve passeio por caminhos da etimologia (parte dos estudos lingüísticos que se ocupa do estudo da origem e da evolução das palavras). É ela que nos ensina, por exemplo, que “salário” vem de “sal” e que “carrasco” vem de Belchior Nunes Carrasco, verdugo que teria vivido em Lisboa. “Carrasco” também é sinônimo de “algoz” (cuja pronúncia erudita é “algôz”). A palavra “algoz” é de origem árabe e, segundo o “Aurélio”, significa ”invasor”, “conquistador”, mas, segundo o “Houaiss”, significa “nome da tribo onde geralmente se recrutavam os carrascos”. Como se vê, às vezes nem os dicionários se entendem, o que não é motivo para desistir da pesquisa e da divulgação da etimologia, o que, na área médica, é particularmente importante e interessante.

Então, caros doutores, que tal explicar aos pacientes que “válvula” é o diminutivo de “valva”, ou seja, é uma “valva pequena”? Pode-se aproveitar para informar também que as terminações “-ulo” e “-ula”, presentes em “válvula”, “nódulo”, “óvulo”, “glóbulo” e “película”, por exemplo, indicam noção de diminutivo, o que permite que se conclua que os nódulos (eta palavrinha danada!) nada mais são do que pequenos... Pequenos nós, é claro, assim como os glóbulos (os vermelhos e os brancos, que temos no sangue) são globos pequenos, os óvulos são ovos pequenos, a película é uma pelezinha e assim por diante.
  
Até a próxima. Um forte abraço.

* Pasquale Cipro Neto apresenta o programa "Nossa Língua Portuguesa" na TV Cultura e escreve no jornal Folha de S. Paulo


Este conteúdo teve 160 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 197 usuários on-line - 160
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior