PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PONTO DE PARTIDA (pág. 1)
Editorial de Luiz Alberto Bacheschi, que assumiu a presidência do Cremesp em janeiro deste ano


ENTREVISTA (pág. 4)
Acompanhe um papo informal com o compositor, médico e herpetólogo...


SINTONIA (pág. 9)
Pintores famosos e o legado - artístico - a seus médicos, na visão do conselheiro José Marques Filho


CRÔNICA (pág. 14)
Texto do premiado médico escritor, membro da Academia Brasileira de Letras, Moacyr Scliar


ESPECIAL (pág, 16)
A reforma do sistema de saúde americano por Lynn Silver, sub-secretária da Saúde de Nova Iorque


CONJUNTURA (pág. 22)
Dados do Cebrid mostram que os jovens experimentam a bebida muito cedo: entre 10 e 12 anos


DEBATE (pág. 26)
Em discussão a evolução da psiquiatria e o programa de saúde mental no país


GIRAMUNDO (pág. 32)
O que esperar da Conferência Mundial sobre o Clima realizada em Copenhague em dezembro passado?


PONTO COM (pág. 34)
Informações interessantes de acesso rápido, nos endereços eletrônicos selecionados. Clique!


HOBBY (pág. 36)
O médico cardiologista Maurício Jordão pratica o ilusionismo nas horas vagas


CULTURA (pág. 38)
A Bahia pelo traço, leve e característico, de Hector Julio Páride Bernabó


TURISMO (pág. 42)
Búzios: 24 praias belíssimas, além de mirantes com vista de 360 graus


CABECEIRA (pág. 47)
Sugestões de leitura da presidente da Academia de Medicina de São Paulo


POESIA (pág. 48)
Trecho de A Noite Tava Divina, de Paulo Vanzolini


GALERIA DE FOTOS


Edição 50 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2010

CRÔNICA (pág. 14)

Texto do premiado médico escritor, membro da Academia Brasileira de Letras, Moacyr Scliar


A difícil arte do prognóstico

Moacyr Scliar*

No final do ano, estreou um filme que chegou às telas do mundo com grande estardalhaço: 2012, dirigido por Roland Emerich. O ano em questão marca o final de um antigo calendário mesoamericano, e o filme, em seu furor catastrofista (coisa que Hollywood adora) não deixa por menos: se é o fim do calendário é também o fim do mundo, portanto salve-se quem puder (mas não antes de comprar o ingresso).

Certamente o mundo não terminará em 2012, como não terminou nas numerosas vezes em que tal foi previsto. Uma dessas vezes foi o ano mil. Na Europa, as pessoas estavam tão convencidas de que o milênio assinalaria o final dos tempos, que muita gente renunciou às suas ocupações habituais para simplesmente aguardar a catástrofe. Quando esta não ocorreu, a reação deve ter sido mista: alívio e decepção a um só tempo.

O fim de um ano e o começo de outro é uma clássica ocasião para previsões, para antecipar o que está por vir. É a época da bola de cristal, do tarô, dos búzios, das várias formas de adivinhação que aparecem no folclore brasileiro. Aí a precisão não é a regra, mas quando experts são ouvidos em diversas áreas – finanças, política, ciência e tecnologia – a coisa fica diferente. Trata-se de terreno minado, onde as pessoas são obrigadas a se mover com muita cautela. Fazer um prognóstico acertado é uma coisa muito difícil. Sabiam disso os antigos meteorologistas, que tinham de torcer para que suas previsões dessem certo. O mesmo poderiam dizer os economistas. No dia 24 de outubro de 1929, a “quinta-feira negra”da Bolsa de Nova York, 35 grandes empresas emitiram uma declaração conjunta dizendo: “O pior já passou”. E aí veio a Grande Depressão.

Para a medicina, responder à pergunta do paciente, “o que vai me acontecer agora?” é sempre um desafio. Um desafio que exige o desenvolvimento de habilidades especiais, tanto do ponto de vista científico como do ético e psicológico. E é um desafio que surge cedo na história da medicina. Podemos dizer que a arte do prognóstico antecipou mesmo a do diagnóstico. Disso a medicina grega sempre foi um exemplo. Para os médicos hipocráticos, o diagnóstico era feito em termos de reais ou supostos distúrbios humorais (excesso de bile negra, pletora de sangue etc.). Não havia uma base anatomopatológica nem exames complementares. Havia o veredito médico, que os pacientes provavelmente aceitavam com certa resignação. Mas, em relação ao prognóstico, a exigência era grande, principalmente se o paciente era alguém importante: um rei, um nobre, um rico proprietário. Nesses casos havia interesses em jogo e muitas pessoas queriam saber do médico qual seria o desfecho do caso; e, sendo este fatal, quando ocorreria o óbito. Pode-se imaginar que muitos doutores devem ter suado frio nessas condições.

Com o tempo, prognóstico foi se tornando um exercício científico. A economia aprendeu a estudar tendências, a estabelecer fórmulas e equações; e a meteorologia passou a contar com apoio dos satélites e de suas fotos. Da mesma forma, a medicina agora tinha estudos de natureza estatística e epidemiológica. Atualmente, quando falamos em prognóstico, falamos nos possíveis desfechos de uma doença e na frequência com que tais desfechos ocorrerão. E isto significa usar números, porcentagens: “O senhor tem 80% de chances de ficar curado.” Numa profissão que inevitavelmente trabalha com um grau de incerteza (Dans la médécine, comme dans l’amour, ni jamais ni toujours, diziam os antigos clínicos franceses – na medicina, como no amor, nem nunca nem sempre), isto é um grande avanço. Mas, muitas vezes, não satisfaz as necessidades emocionais do paciente. Ele gostaria de saber se está nos 80% que ficarão curados ou nos outros 20%. E é aí que aquele antigo lado da medicina, o lado da compaixão, faz-se necessário. Tanto quanto quer diagnóstico e prognóstico precisos, o paciente quer apoio. A certeza desse apoio é o maior antídoto contra as incertezas do prognóstico. Números são importantes, mas o afeto também o é.


*Escritor e médico, membro da Academia Brasileira de Letras, ganhador do Prêmio Jabuti 2009  na categoria ficção com o livro Manual da paixão solitária – Cia. da Letras.


Este conteúdo teve 234 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 269 usuários on-line - 234
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior