PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
Ponto de Partida


ENTREVISTA
Lygia da Veiga Pereira


CRÔNICA
Heloísa Seixas


CONJUNTURA
Hélio Sader


COM A PALAVRA
Carlos Alberto Pessoa Rosa


EM FOCO
Cremesp cria Centro de Bioética


DEBATE
Medicina Defensiva


LIVRO DE CABECEIRA
A Morte de Ivan Ilitch e O Livro de San Michele


CULTURA
Adriana Bertini


HISTÓRIA DA MEDICINA
Egito Antigo


TURISMO
Patagônia: terra de contrastes


POESIA
Carlos Vogt


GALERIA DE FOTOS


Edição 21 - Outubro/Novembro/Dezembro de 2002

TURISMO

Patagônia: terra de contrastes

Patagônia: terra de contrastes

Afonso Capelas*

Uma das regiões menos povoadas do planeta e também uma das mais fascinantes, a Patagônia argentina tem, em média, um habitante por quilômetro quadrado. É possível percorrê-la de carro durante horas seguidas sem encontrar um povoado, uma casa sequer. Descoberta há mais de 500 anos e reconhecidamente uma das últimas grandes extensões selvagens do mundo, a Patagônia começa, pelo Norte, nas proximidades de Buenos Aires e se estende até a extremidade Sul da América Latina, na região conhecida como Terra do Fogo. A maior parte do seu território está na Argentina e a outra avança até terras chilenas. Os dois países estão separados naturalmente pela Cordilheira dos Andes. A surpreendente região recebe milhares de turistas todos os anos, em busca de paisagens inusitadas, onde áreas planas e desérticas fazem contraste com imensos lagos de águas esverdeadas, montanhas nevadas, glaciares e florestas centenárias.

Mesmo sendo o mais selvagem dos territórios do planeta, para conhecê-lo não é preciso sofrer dormindo em barracas e comendo sardinhas enlatadas. Ainda que pouco habitada, a Patagônia argentina conta com muitas cidades que são verdadeiras ilhas de conforto e infra-estrutura invejáveis, com uma série de atrações naturais como a visitadíssima Bariloche ou as menos conhecidas Villa La Angostura, El Calafate e Puerto Madryn. Bariloche é chamada carinhosamente pelos argentinos de “capital da Patagônia andina”. Localizada a 770 metros de altitude, na belíssima região dos lagos, a cidade é famosa pelas badaladas estações de esqui que atraem visitantes do mundo inteiro durante o inverno. Mas não é só isso: nos arredores da cidade também existem passeios inesquecíveis ao alto de montanhas imponentes como Catedral, López e Tronador, todas com cerca de dois mil metros de altura, de onde se pode observar toda a região. Além de bons hotéis e restaurantes, Bariloche também abriga o Museu da Patagônia, onde o visitante pode aprender muito sobre a região, observando várias espécies de animais, além de achados arqueológicos e livros.

Cerca de 75 quilômetros ao Norte de Bariloche está a pequenina e simpática Villa La Angostura, localizada à beira do grande Lago Nahuel Huapi – com nada menos que 560 quilômetros quadrados de superfície e cercado por um frondoso bosque. A cidadezinha, próxima à fronteira com o Chile, é a porta de entrada para dois parques nacionais que merecem ser visitados: La Angostura e Los Arrayanes. Os argentinos garantem, orgulhosos, que as florestas de imensas árvores centenárias preservadas no Parque Nacional Los Arrayanes foi a inspiração para que Walt Disney criasse seu famoso personagem Bambi. Assim como Bariloche, Villa La An-gos-tura dispõe de excelente estrutura hoteleira, além de bons restaurantes e clubes.

Geleiras azuladas
El Calafate, cidade situada ao sul, é o melhor lugar da Patagônia para quem quer conhecer os glaciares, as grandes geleiras de incrível cor azulada que se desprendem para depois flutuar nos lagos. Os maiores glaciares têm até nome: Upsala e Onelli, que estão nas proximidades do Lago Argentino. O glaciar Upsala é o maior da Patagônia, com uma superfície de quase 600 quilômetros quadrados de extensão. Já Perito Moreno é o mais famoso, dividindo o Lago Argentino em duas partes. Nessa região da Patagônia está a maior concentração de gelo do mundo, protegida pelo Parque Nacional Los Glaciares. Caminhando pelas passarelas armadas ao longo do Lago Argentino o visitante se surpreende com cenas inesquecíveis: pedaços imensos de gelo desprendendo-se ruidosamente para então flutuarem nas águas.

Ir à Patagônia e não ver pingüins é quase uma heresia; os simpáticos animais estão, aos milhares, na Península Valdés, já no litoral patagônico. Ali, as cidades de Puer-to Madryn e Puerto Piramide são os principais pontos de partida para os muitos atrativos das reservas de vida selvagem da região. Para quem gosta de conhecer a vida marinha, Puerto Madryn conta com várias operadoras de mergulho e empresas de turismo que promovem passeios de barco para observação de baleias franca e orca, principalmente entre os meses de julho e novembro, período de acasalamento desses animais. Em Puerto Piramide está a mais importante colônia de lobos-marinhos da Patagônia, que na época de reprodução podem ter uma população de mais de 1.500 animais. Pingüins, elefantes-marinhos e diversas espécies de pássaros também podem ser observados ali sem grandes esforços. Antes do passeio, vale fazer uma visita ao chamado Centro de Interpretação, localizado na entrada da Península Valdés. Lá, uma equipe de biólogos e monitores darão todas as “dicas” preciosas para o visitante conhecer o que há de mais interessante nessa região.

Por sua dimensão, é impossível conhecer a Patagônia em uma viagem de apenas sete dias. Ela é imensa e seria preciso fazer várias viagens a cada um dos pontos turísticos mais interessantes de seu vasto território. Muitos aventureiros preferem desbra-vá-la de carro, a partir de Bue--nos Aires e até mesmo do sul do Brasil. Para quem prefere chegar por via aérea, há vôos a partir da capital argentina em direção às principais cidades da Patagônia. Seja qual for a maneira de chegar, importante é conhecer as paisagens mais deslumbrantes e diversificadas do pla-ne-ta, que sempre despertaram curiosidade.

Melhor época O verão é a melhor época para ir à Patagônia. Entre os meses de novembro e abril os dias são bem mais longos e dá para aproveitar mais os passeios. Quem quer só esquiar na região dos lagos deve ir entre junho e agosto.

Onde ficar Pousadas confortáveis, equipadas com lareiras e aquecimento interno, são encontradas facilmente.
Em Bariloche:
Casita Suiza
Pousada aconchegante e charmosa
Tel. (0054-2944) 423775
Ayélen
Apartamentos com aquecimento. Tem um bom restaurante
Tel. (0054-2944) 423611

Em Villa La Angostura:
Hosteria Las Balsas
Tem quartos confortáveis
Ao sul de El Cruce
Tel. (0054-2944) 494308
Hotel Correntoso
Perto do centro comercial
Tel. (0054-2944) 494424

Em El Calafate:
El Mirador Del Lago
É o único que fica em frente ao Lago Argentino. Tel. (0054-2902) 49-3176

Em Puerto Madryn
Hotel Península Valdés
Suítes com vista para o mar
Avenida Julio A. Roca, 155
Tel. (0054-2965) 45-1110
Hotel Baía Nueva (Puerto Madryn)
Avenida Roca, 67
Boas acomodações na ca-tegoria 3 estrelas
Tel. (0054-2965) 45-1677

Onde Comer Peixes variados, como as saborosas trutas, além de frutos do mar e churrascos preparados à moda Argentina, com carnes de boi e de carneiro, estão entre as principais delícias dos melhores restaurantes da Patagônia.

Em Bariloche:

Familia Weiss
Especializado em peixes
Calle Palacios, 167
Tel. (0054-2944) 424829

La Vizzacha
Serve churrascos para duas pessoas com bons preços
Calle Rolando, 279
Tel. (0054-2944) 422109

Em Villa La Angostura
Parrila Las Varas
Serve bom churrasco
Tel. (0054-2944)

Em El Calafate

La Tablita
Serve assados de cordeiro
Calle Coronel Rosales, 24

Em Puerto Madryn
La Caleta
Pratos à base de frutos do mar
Calle San Martin, 156
Tel. (0054-2965) 451164

Agências Brasileiras que levam À Patagônia
Freeway Adventures (11) 5572-0999
Interpoint (11) 3081-9400
NS Tour (11) 3061-2800
Rota Alternativa (51) 3346-1776

* Capelas é jornalista.

Este conteúdo teve 1667 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 257 usuários on-line - 1667
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior