PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PONTO DE PARTIDA (pág. 1)
Renato Azevedo Júnior - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 4)
Heiner Flassbeck, economista e diretor da Unctad


SINTONIA (pág. 9)
José Ricardo de C. M. Ayres*


CRÔNICA (pág. 12)
Antonio Prata*


CONJUNTURA (pág. 14)
Os problemas da população de rua


DEBATE (pág. 18)
Haino Burmester e Laura Schiesari


MÉDICOS NO MUNDO (pág. 24)
O atendimento da população em regiões de alto risco


SUSTENTABILIDADE (pág. 28)
Alerta para o consumo de alimentos contaminados


GIRAMUNDO (págs. 30 e 31)
Curiosidades da ciência e tecnologia, da história e atualidade


PONTO COM (págs. 32/33)
Acompanhe as novidades que agitam o mundo digital


EM FOCO (pág. 34)
Sherlock Holmes, um doutor detetive


LIVRO DE CABECEIRA (pág. 37)
Sugestão de leitura de Krikor Boyaciyan*


HOBBY (pág. 38)
Esporte já não é exclusivo do universo masculino


CULTURA (pág. 40)
Arte urbana conquista espaço internacional


GOURMET (pág. 45)
Arroz indiano


POESIA( pág. 48)
Ana Cristina César


GALERIA DE FOTOS


Edição 57 - Outubro/Novembro/Dezembro de 2011

CULTURA (pág. 40)

Arte urbana conquista espaço internacional


GRAFITE É ARTE?

Uma lata de spray na mão, um muro ou fachada, talento e criatividade – grafite é arte? Para alguns, sim, para outros, não. Manifestação visual tipicamente urbana – na forma de desenhos, contemporâneos ou não –, iniciada como movimento social na Europa e nos Estados Unidos, nos anos 70, difundiu-se pelo mundo, constituindo uma importante cultura, à parte de qualquer definição artística conhecida anteriormente. Embora sua origem e aparência ainda provoquem preconceitos e dúvidas, aos poucos o talento de alguns grafiteiros vai se impondo e mudando o status do que era apenas transgressão. Três deles, reconhecidos internacionalmente, saíram das ruas da cidade de São Paulo: Eduardo Kobra e os irmãos Gustavo e Otávio Pandolfo, que assinam suas obras como Osgêmeos. Diferenciando-se da execrada pichação, o grafite ganhou até nome novo: street art ou, na versão brasileira, “arte urbana”. E, assim, vai invadindo galerias de arte e museus, como o Masp, em São Paulo.


Grafite anônimo na região central da cidade de São Paulo

Talvez a cidade mais grafitada do país, a capital paulista começou, este ano, a liberar as laterais de edifícios – que, antes da Lei Cidade Limpa, estampavam enormes anúncios publicitários – para grafites e murais. A prefeitura abrirá uma brecha na legislação para que as obras possam ser financiadas por empresas privadas. Em troca, estas poderão ter uma menção à sua marca na mesma fachada, no tamanho máximo de 40 cm de altura por 60 de largura, por três anos, sem renovação. Os desenhos poderão fazer menção indireta ao produto do patrocinador, mas não ser o tema central. Alguns projetos-piloto já podem ser vistos, como o de Osgê­meos, em um prédio do Vale do Anhangabaú; um mural de Eduardo Kobra, na avenida Tiradentes; e um de Daniel Melim, na avenida Prestes Maia. Outros locais já estão autorizados a expor obras.

Apesar do reconhecimento, Kobra não acredita em mudança de status. “Existe uma confusão a respeito. Ele sempre será irregular, pois se autorizar não será mais grafite”, explicou. Segundo o artista, não é a classificação que se está alterando, e sim a mentalidade das pessoas. “O conceito de arte é muito amplo, portanto não é tão simples dizer que o grafite pertence a esse âmbito. Agora, a população apenas reconhece o que sempre foi óbvio: não é necessário estar em uma galeria ou ser formado em artes plásticas para ser artista. A cidade de São Paulo é prova disso”, afirmou Kobra.  

Proprietário do Studio Kobra, desde pequeno o artista já se interessava por desenhos. Depois de 24 anos pintando muros e fachadas, suas obras podem ser vistas em cidades como Atenas, Londres, Paris e Rio de Janeiro, além dos diversos murais realizados em ruas e estabelecimentos de São Paulo, muitos deles reproduzindo cenas antigas da cidade e, dentre essas, algumas em estilo de tromp l´oeil. Atualmente suas produções em 3D, como a da Praça do Patriarca, demonstram a criatividade e a inovação possíveis no campo.

Grafites na cidade de São Paulo

Avenida 9 de Julho (anônimo)


Av. 23 de Maio (Osgêmeos)


Liberdade (anônimo) e Vale do Anhangabaú (Osgêmeos)


Bairro da Liberdade (anônimo) e Bairro da Liberdade (anônimo)

Os gêmeos Gustavo e Otávio também desenham desde a infância, no bairro paulistano do Cambuci. Adolescentes, descobriram o grafite e, em 1995, fizeram a primeira exposição, no Museu da Imagem e do Som (MIS). A partir daí, receberam convites para trabalhar na Alemanha, Estados Unidos, Chile, Cuba e em diversos países europeus. Em 2007, fizeram uma de suas obras mais famosas: pintaram a fachada do Castelo de Kelburn, na Irlanda, juntamente com outros dois artistas. Em Nova York, um mural pintado pela dupla recebeu a seguinte definição do jornal The New York Times: “Fantástico e épico; um sonho de felicidade traçado à melancolia. Realismo fantástico”. Recentemente, pintaram também os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Além de Kobra e Osgêmeos, dezenas de outros artistas anônimos colorem a cidade de São Paulo. Alguns lugares já se tornaram points, como o movimentado túnel conhecido como “Buraco da Paulista”, que interliga a Avenida Paulista à Avenida Doutor Arnaldo e à Avenida Rebouças. Na rua Amaral Gurgel, as colunas da via expressa Elevado Costa e Silva, conhecido como “Minhocão”, exibem também inúmeros grafites.  

Alguns murais de Eduardo Kobra - impressionantes - na cidade de São Paulo


Avenida 23 de Maio


Esquina das ruas Fradique Coutinho com Purpurina, na Vila Madalena 


Avenida Hélio Pellegrino


Beco do Aprendiz

O Beco do Aprendiz, localizado entre as ruas Padre João Gonçalves e Belmiro Braga, na Vila Madalena, é, praticamente, uma galeria de arte a céu aberto. O local começou a ser usado pela Ong Associação Cidade Escola Aprendiz, em 1999, como parte do projeto “Cores da Vida”, que ensina jovens a grafitar. No ano passado, em parceria com uma empresa de tintas, o projeto “Murada”, da associação, revitalizou o Beco. Com a ajuda de grafiteiros já experientes, como Pato, Prozak, Boleta e Ciro, as regiões paulistanas – Norte, Sul, Leste e Oeste – foram representadas nos muros.

E o grafite começa a invadir também áreas particulares. Bares, lanchonetes, residências, metrôs, trens e até um hospital já exibem em suas paredes obras de grafiteiros. Porém, a institucionalização remete à questão que Kobra levanta: se é autorizado, ainda é grafite?

(Colaborou Tainá Grassi)


Grafite na web

Para quem quiser ver mais:
• para ver grafites do mundo inteiro
• grafites em trens e metrôs
• blog sobre os grafites feitos no “Minhocão”

Arte urbana no Masp 

Uma versão internacional da mostra De dentro para fora/De fora para dentro, que em 2009 e 2010 levou mais de 140 mil visitantes ao Masp, em São Paulo, pode ser vista até 23 de dezembro deste ano. A exposição, que está em cartaz no subsolo do museu e nas imediações do prédio, traz ao Brasil alguns dos mais importantes nomes da arte urbana mundial, como os franceses Remed, JR e Invader, o tcheco Point, os argentinos Tec, Defi e Chu e a norte-americana Swoon.

SERVIÇO
Onde: Masp, Avenida Paulista, 1.578
Período: 17/08 a 23/12/2011
Horários: De terças a domingos e feriados, das 11h às 18h. Às quintas-feiras: das 11h às 20h. A bilheteria fecha meia hora antes.
Ingressos: R$ 15,00. Estudante: R$ 7,00. Até 10 anos e acima de 60: livre.
Às terças-feiras: entrada gratuita.
Mais informações: www.dedentroedefora.com





Este conteúdo teve 1900 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 195 usuários on-line - 1900
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior