PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PONTO DE PARTIDA (pág.1)
Renato Azevedo Júnior - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág.4)
Susan Greenfield


CRÔNICA (pág.11)
Fabrício Carpinejar*


SINTONIA (pág.12 a 15)
Neurociência e Filosofia


DEBATE (págs.16 a 21)
Todos os cidadãos têm o direito à saúde garantido?


EM FOCO (págs. 22 a 25)
Medicina sobre rodas


GIRAMUNDO (pág.26)
Curiosidades de ciência e tecnologia, história e atualidades


PONTO COM (pág.28)
Informações do mundo digital


HISTÓRIA (págs. 30 a 33)
Com 112 anos de história, Intituto Butantan é um dos maiores centros de biomedicina mundial


HOBBY (págs.34 a 37)
Médicos dedicam-se a escrever poemas


CULTURA (pág.38 a 41)
Pinacoteca de São Paulo realiza mostra sobre gravura brasileira


LIVRO DE CABECEIRA (pág.42)
Por Marco Tadeu Moreira de Moraes*


CARTAS & NOTAS (pág.43)
Medicina na Bolívia atrai grande número de brasileiros


TURISMO (págs. 44 a 47)
Cidades de Santa Catarina guardam um pouco da cultura europeia


FOTOPOESIA (pág.48)
Oscar Niemeyer


GALERIA DE FOTOS


Edição 62 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2013

TURISMO (págs. 44 a 47)

Cidades de Santa Catarina guardam um pouco da cultura europeia


Pedalando no Vale Europeu


Por Marianna Mellone*
Fotos: Marianna Mellone e Renato Galani


Localizado no interior de Santa Catarina, o Vale Europeu foi o primeiro circuito de cicloturismo criado no Brasil. Muito prático por ser um trajeto circular, ele sai e chega à mesma cidade, Timbó, o que facilita bastante a logística. Durante sete dias, passamos por vários povoados e cidadezinhas de colonização italiana e alemã, quase 100% em estradas de terra, muitas casinhas de madeira com jardins bem cuidados e sem portão, sítios, pessoas acolhedoras, cantar de passarinhos, comida boa, chuva e noites bem estreladas. Imperdível!

Primeiro dia: Campinas/Timbó – Amanheceu, malas e bicis no carro e estrada! Após 8 horas chegamos a Timbó. O ar era outro e o sotaque também. Hospedamo-nos e pegamos nosso passaporte (cartão fornecido pela organização do circuito, carimbado em cada lugar por onde passamos), por R$ 10,00 cada, no Hotel Timbó, e jantamos comida alemã no restaurante Thapyoka, onde deixamos nosso carro durante o pedal.

Segundo dia: Timbó Benedito Novo/Cedro Alto/Rio Milanês/Palmeiras – Foram duas subidas: uma grande e outra monstruosa, e pegamos bastante sol! Ainda bem que foi o primeiro dia... Saímos de Timbó às 8 horas, felizes da vida. A subida era pesada, mas o cenário compensava com pequenas propriedades rurais e plantações de coqueiro, pinheiro, abóbora, arroz, cana e milho.

Encontramos várias pessoas simpáticas pelo caminho, para dizer “bom dia”, mas foi em Cedro Alto que tivemos a maior surpresa da jornada. Chegamos nessa vila na hora do almoço e vimos um lugar com várias pessoas. Fomos ver o que era. Um moço bem loiro, de bochechas rosadas e gorducho, com uma faixa no peito escrita “Rei do Caneco”, disse: “coloca as bicicletas ali e pode entrar que tem bastante comida lá dentro!!”. Fomos entrando, olhando aquela festa inesperada, e a banda começou a tocar música alemã. Compramos meio-galeto, que era enorme, acompanhado de arroz, batata, mandioca e salada à vontade.

Depois do banquete, duas horas de subida forte pela frente, barriga cheia, preguiça, sol forte do meio dia e pedras pelo chão. Mas, no final, havia sombra e um riozinho pra gente se refrescar, a paisagem ficou mais bonita, com mata fechada e muito verde.


Chegamos a Palmeiras no fim da tarde e fomos para a única pousada-bar-restaurante do lugar. Tomamos um café, banho e demos um cochilo. À noite saímos para jantar e descobrimos que tudo estava fechado na pequena vila. Uma única luz iluminava a rua, ao som de grilos e sapos. Uma maçã perdida na minha bolsa foi a nossa comida.

Terceiro dia: Palmeiras/Alto Cedro – Muitas subidas. Começamos bem cedinho. A trilha inicial tinha bastante mata, sombra e clima fresco. Mais ou menos na metade do percurso, a paisagem muda bastante, tornando-se seca e calorenta, com pouca vegetação, algumas somente de pinheiros.

Em Alto Cedro foi uma bênção chegar à Parador da Montanha, a pousada mais charmosa de toda a viagem! O lugar é um sonho, com muita madeira e artesanato, quartos limpinhos e cheirosos, camas grandes, roupas de cama lisinhas e uma surpresa: uma maravilhosa jacuzzi para relaxar, com água morna e num lugar com vista privilegiada. De almoço, comidinha mais que perfeita: arroz carreteiro, bolinhos de feijão, frango a passarinho e suco de acerola.

Quarto dia: Cedro Alto/Doutor Pedrinho – Muita chuva o caminho todo! Ao chegar em Dr. Pedrinho estávamos completamente molhados e cheios de areia de cima a baixo. No hotel, tomamos um primeiro banho de mangueira no quintal e nos emprestaram a lavanderia para lavar as imundícies e o varal para estender as inúmeras roupas molhadas, que não ficariam completamente secas até o dia seguinte.

À noite, andamos por quase toda a cidade, que estava bem silenciosa. Parecia que todo mundo já tinha ido dormir; apenas um bar-bolão-lanchonete estava aberto, com poucas pessoas. Ficamos observando os muros baixos das casas, algumas janelas e portões abertos e carros estacionados na rua, sinais de como o lugar é tranquilo.

Quinto dia: Doutor Pedrinho/Zinco – Muito frio! Com as roupas ainda muito molhadas e fedorentas, saímos bem cedo para fugir da chuva, e até que deu certo. No caminho muita plantação de arroz e madeireiras. Em Benedito Novo, fomos ver a igreja de estilo enxaimel, uma das poucas na América Latina. Enxaimel (ou Fachwerk) é uma técnica de construção que consiste em paredes montadas com hastes de madeira encaixadas, preenchidas por pedras ou tijolos. Os telhados são bastante inclinados. Geralmente é vinculado à Alemanha, embora não possua uma ori-
gem determinada.

A temperatura foi baixando, mas nem percebemos. Na subida de 2 km até Zinco, deu até para suar. Lá no alto, uma cachoeira magnífica. Chegamos à pousada rural e fomos para o restaurante, onde comemos bobó de peixe com camarão, pirão, arroz e farinha. Um tempinho parados e logo percebemos a intensidade do frio. Meus dedos dos pés ficaram anestesiados. A casa em que ficamos era extremamente aconchegante e simples: de madeira, fogão a lenha, toalhinhas de crochê, roupas de cama novas e chuveiro quentinho.


Sexto dia: Zinco/Rodeio/Indaial – Delicioso café e vamos pedalar! Uma chuva fina nos acompanhou o tempo todo. Chegando a Rodeio passamos por um lugar muito excêntrico, com várias estátuas de anjos pelo caminho, feitas por um artista plástico da região. O lugar também tinha uns arbustos enormes de margaridas. Em seguida, paramos no “Queijos Giacomina”. A própria Giacomina nos atendeu, uma moça italiana que aprendeu a arte dos queijos e salaminhos, na Itália, com os pais. Degustamos vários, um melhor que o outro!

Sétimo dia: Indaial/Pomerode – Caminho plano, bom para descansar as pernas e com vários pontos de abastecimento. Finalmente parou de chover e voltamos a ver um pouco de sol. Pomerode é um encanto! Muita flor, casinhas no estilo enxaimel, comida gostosa, docinhos e pessoas falando alemão. No jantar, macarrão caseiro e vinho tinto! Andamos pela cidade e levamos nossas bicis para revisão.



Oitavo dia: Pomerode/Timbó – Partimos, num lindo dia de sol, para nossa última jornada de aventura. Que pena... Não estavámos tão cansados a ponto de ficar com saudades de casa. Por mim, viajava mais um pouquinho. Mas enfim... o ponto de partida é sempre, também, um ponto de chegada. E a saudade que fica é o que não nos deixa parar.



*Médica ginecologista-obstetra, Marianna Mellone viajou para o Vale Europeu com seu marido, Renato Galani, gerente de projetos em Informática. Ambos têm um site sobre outras viagens no endereço www.aventuraadois.com


Este conteúdo teve 160 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 420 usuários on-line - 160
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior