PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PONTO DE PARTIDA (pág. 1)
Bráulio Luna Filho - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 4)
Kátia Maia - diretora da Oxfam Brasil


CRÔNICA (pág. 10)
Lusa Silvestre*


ESPECIAL (pág. 12)
Médico humanista - Aureliano Biancarelli


SINTONIA (pág. 19)
Medicina translacional


EM FOCO (pág. 22)
Complexo Industrial-militar, por Isac Jorge Filho*


CARA NOVA (pág. 25)
Nova Ser Médico


MÉDICOS NO MUNDO (pág. 26)
Ana Letícia Nery


GIRAMUNDO (pág. 30)
Medicina & Ciência


PONTO.COM (pág. 32)
Mundo digital & Tecnologia científica


HISTÓRIA DA MEDICINA (pág.34)
Das Misturas e Poderes das Drogas Simples


LIVRO DE CABECEIRA (pág. 37)
Antonio Pereira Filho*


CULTURA (pág. 38)
Histórias de vidas anônimas


TURISMO (pág. 42)
Turquia/Curdistão


CARTAS & NOTAS (pág. 47)
Espaço dos leitores


FOTOPOESIA (pág. 48)
Mensagem de Ano Novo


GALERIA DE FOTOS


Edição 73 - Outubro/Novembro/Dezembro de 2015

PONTO DE PARTIDA (pág. 1)

Bráulio Luna Filho - Presidente do Cremesp


Saúde e desigualdade socioeconômica

 

    Esta edição da Ser Médico aborda o fenômeno social mais relevante no mundo atual: a desigualdade socioeconômica! Em quase todos os países, alarga a distância entre as camadas mais ricas e mais pobres.


A crise financeira mundial de 2008-2015 aumentou, em aparente paradoxo, ainda mais esta distopia, como demonstra a entrevista com a diretora da Oxfam Brasil, Kátia Maia. A consequência é a desesperança crescente com os sistemas políticos e governos dos mais variados espectros ideológicos.

 

Na saúde pública brasileira, particularmente, temos evidências gritantes dessa ignomínia social. Enquanto alguns poucos são atendidos com rapidez e acesso aos mais modernos equipamentos em centros especializados, a maioria padece nas intermináveis filas dos serviços públicos, assistida muitas vezes por profissionais desmotivados, trabalhando em locais sem estruturas adequadas.

 

A perversa distribuição de renda produz um tipo específico de desigualdade no terreno da Saúde: a desigualdade vital. Nela, como salienta o sociólogo sueco Göran Therborn, os padrões sociais definem quem tem acesso à assistência de ponta e quem não tem, reduzindo a qualidade e a expectativa de vida. Como efeito colateral eticamente inominável, o cerca de 1% que acumula quase metade da renda viverá mais e melhor do que os demais 99%.

A saúde e a educação são os principais vetores da redução da desigualdade social. Isto é inconteste. No Brasil, porém, vivemos o não milagre de abertura indiscriminada de escolas médicas, sem infraestrutura e sem professores. Cria-se então a expectativa falsa que dessa maneira avançaremos na redução das iniquidades na área da Saúde.

Contudo, o Exame do Cremesp nos autoriza a contestar a política governamental de abertura de novas escolas médicas e as consequências para o sistema de saúde. Como se poderá conferir em matéria especial desta edição, seus resultados são preocupantes, sobretudo nas escolas privadas – que cobram mensalidades de até R$ 6 mil. A maioria delas, porém, é financiada parcialmente pelo dinheiro público, por meio dos programas Fies e Prouni.

Esse fato nos leva novamente ao tema da desigualdade socioeconômica, indissociável da injustiça social, que se agrava quando os recursos da sociedade são utilizados em políticas governamentais infrutíferas para a maioria da população. A não ser que, ingenuamente, acreditemos que os empresários da educação brasileira pensam mais no País do que nos seus polpudos lucros.

Nós, médicos, temos o compromisso indelével com a saúde dos pacientes e com a perspectiva de uma sociedade humana e justa, em que as diferenciações de classe não determinem a qualidade da atenção médica. Esta é a luta maior do Cremesp – a construção de um sistema de saúde que seja também instrumento do fim da desigualdade socioeconômica.

 

Bráulio Luna Filho

Presidente do Cremesp


Este conteúdo teve 158 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 262 usuários on-line - 158
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior