PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PONTO DE PARTIDA (pág. 1)
Bráulio Luna Filho


CONFERÊNCIA (pág. 4)
Fronteiras do Pensamento


CRÔNICA (Pág.10)
Luis Fernando Verissimo*


EM FOCO (Pág.12)
Obesidade


ESPECIAL (Pág. 16)
Comportamento


CARTAS E NOTAS (Pág. 23)
Projeto Ministério Público pela Educação


MÉDICOS NO MUNDO (Pág. 24)
Neurocirurgia


HISTÓRIA DA MEDICINA (Pág. 28)
Ácido acetilsalicílico


GIRAMUNDO (Pág. 32)
Medicina & Ciência


PONTO COM (Pág. 34)
Mundo digital & tecnologia científica


HOBBY (Pág. 36)
Carros antigos


GOURMET (Pág. 40)
Costelinha suína com farofa de couve


CULTURA (Pág. 44)
Adoniran Barbosa


FOTOPOESIA (Pág. 48)
Jorge Fernando dos Santos


GALERIA DE FOTOS


Edição 74 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2016

GOURMET (Pág. 40)

Costelinha suína com farofa de couve

O segredo é o tempero

Eduardo Grecco, endoscopista, conta como faz um
de seus pratos mais apreciados por familiares e amigos

 

Na casa do médico endoscopista Eduardo Grecco “a churrasqueira e as refeições são terapia”. De origem italiana por parte de pai, e espanhola do lado da mãe, ele conta que desde criança observava, junto com os irmãos, os familiares cozinhando. E todos aprenderam a colocar a mão na massa. “Minha família é do tipo que se reúne em volta da mesa não só para comer, mas para cozinhar e inventar. Acabamos tendo a cozinha como ambiente familiar, um lugar para estarmos juntos”, afirma.

Nem mesmo suas múltiplas atividades profissionais o impedem de achar tempo para agraciar a mulher, Aline, economista, e os filhos, Nicole (6) e Eric (4), além de familiares e amigos, com seus deliciosos pratos. Referência mundial em endoscopia bariátrica, ele trabalha como endoscopista assistencial em vários hospitais da Rede d’Or, no ABC; é coordenador do serviço de endoscopia da Rede Amil e de Residência Médica da Faculdade de Medicina do ABC, além de superintendente-adjunto do Hospital Esta­dual Mário Covas (ABC).

“A rotina é bem corrida. Além das horas de trabalho, nós, médicos, temos uma vida social muito ativa, muitos encontros que são prati­camente extensão da nossa profissão. Mas, sempre que tenho reunião em casa, seja de amigos, família, e até encontro com residentes, dou uma passadinha pela cozinha para fazer algo”, conta o médico.

A correria diária é compensada nos finais de semana, feriados e viagens, que geralmente contam com muitos amigos e familiares, e reú­nem os homens na cozinha. “Mesmo quando viajamos – inclusive ao Exterior –, vamos com muita gente. Qualquer viagem, por mais simples que seja, aproxima os tios, pais e avós, além dos amigos. E sempre acaba em comida”, confessa Eduardo. “Na casa de praia, por exemplo, é assim: os homens assumem a cozinha, desde o café da manhã até o jantar, e as mulheres agradecem”, alegra-se Aline.

Além de cozinhar e passar o pouco tempo livre que tem com a família, Eduardo gosta de praticar esportes como natação e futebol também, mas não encontrava um horário para isso. Agora está se programando para nadar, às quintas-feiras, à tardezinha, o único dia em que a rotina profissional termina um pouco mais cedo. Para ele, atividades extraprofissionais, como hobbies ou esportes, são essenciais para viver bem.


Eduardo Grecco prepara a costelinha com farofa

 


 “Um sonho antigo”

“Sempre quis ser médico. Desde pequenininho soube que estudaria Medicina, e isso foi por mim mesmo, não tenho nenhum parente médico. Após um ano de cursinho, entrei na faculdade, e aí nunca mais parei. Tenho certeza de que acertei na escolha da profissão. Adoro meu trabalho, adoro estar com meus pacientes e poder ajudá-los”.

Graduou-se em 1999 pela Faculdade de Medicina do ABC. Depois, realizou a primeira Residência, em Cirurgia do Aparelho Digestivo, no Hospital da Beneficência Portuguesa; e a segunda Residência, em Endoscopia Digestiva, na Universidade de São Paulo (USP). Especializou-se em Administração Hospitalar pela Universidade Cruzeiro do Sul e realizou seu MBA em Gestão de Negócios com ênfase em Saúde, na Fundação Dom Cabral.

“Ser médico exige muito tempo, muito trabalho e dedicação. Aprendi a conciliar toda essa rotina árdua com a família. Por exemplo, sempre que viajo para congressos e eventos, Aline e as crianças vão comigo. Acho muito importante estarmos juntos”.

A valorização do ambiente familiar não vale só para si, filhos, esposa e amigos. Os médicos residentes também são convidados. “Às vezes, temos de discutir alguns assuntos e acabamos nos encontrando aqui em casa. Acho muito bom esse contato, não só profissional, mas amigável. Muitos deles vêm de longe e estão sem a família. É importante esse convívio social.”

Na cozinha, “a churrasqueira é o carro-chefe da casa, além de ser uma terapia muito boa. É tudo no tempo da carne, nos temperos, na brincadeira com tomate, alho ou queijo. A gente acaba se desligando do mundo e o resultado são pratos maravilhosos”, brinca.

 


Para a Ser Médico, Eduardo preparou uma costela de porco com farofa de couve. O tempero da costelinha é uma criação consagrada entre os amigos e a família, que ele oferece aos nossos leitores.





Costelinha suína ao molho Grecco
Tempo de preparo: 1h20

 

Ingredientes (para 4 pessoas)

- Ripa de costelinha suína (com 8 unidades)
- 200 ml de azeite de oliva
- 100 ml de aceto balsâmico
- 100 g de mostarda amarela
- 100 g de mel
- Molho de pimenta a gosto
- Sal grosso a gosto

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno por 20 minutos, a 180oC.

Corte a costelinha em fatias, entre os ossos, e deposite-as em uma vasilha grande. Acrescente o sal grosso a gosto, o azeite, o aceto balsâmico, a mostarda, o mel. Finalize com um toque suave de algumas gotas do molho de pimenta. Misture todos os ingredientes com a mão até o molho ficar marrom escuro e homogêneo. Reserve a costelinha coberta pelo tempero por cerca de 30 minutos. Depois, coloque as ripas em uma forma própria para o forno, com o osso virado para baixo, e deixe assar em forno médio (200ºC) por 30 minutos. Tire do forno e sirva.


Farofa de couve
Tempo de preparo: 10 minutos

Ingredientes

- 2 cebolas grandes cortada em tiras finas
- 250 g de couve cortada em fatias finas
- 500 g de farinha de mandioca crua
- 4 colheres (de sopa) de manteiga
- Sal a gosto

Modo de preparo

Em uma panela, refogue a manteiga e a cebola. Após alguns minutos, adicione a couve. Tempere com sal a gosto e mantenha em fogo médio. Quando a couve já estiver refogada, adicione a farinha de mandioca crua e mexa até incorporar com os outros ingredientes. Desligue o fogo.

Sirva os pratos com a ripa da costelinha, a farofa, algumas pimentas biquinho e cebolinhas em conserva.

 


Dicas do chefe

•  Tempere a costela de porco com sal grosso (nunca refinado) para condimentar a carne sem deixá-la muito salgada.

•  A costela, quando feita no forno ou na churrasqueira, fica com uma textura crocante. Caso deseje aquele ponto que desmancha, o ideal é fazê-la embrulhada no papel celofane, em fogo baixo, com tempo aproximado de 2 a 3 horas.

•  Ao colocar a costela na forma para assar, é importante posicioná-la com o osso virado para baixo.

•  Para decorar o prato, é interessante adicionar pimentas vermelhas.

•  Para o acompanhamento, uma gostosa farofa sempre cai bem.

 

(Colaborou: Ana Clara Scarabelli)

 

 


Este conteúdo teve 1996 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 468 usuários on-line - 1996
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior