PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PÁGINA 1
Nesta edição


PÁGINA 4 a 9
Entrevista


PÁGINA 10 E 11
Crônica


PÁGINA 12 A 26
Dossiê/Vacinas/História


PÁGINA 27 A 29
Tecnologia


PÁGINA 30 E 31
Opinião


PÁGINA 32 A 35
Hobby


PÁGINA 36 A 39
Agenda Cultural


PÁGINA 40 E 41
Medicina no mundo


PÁGINA 42 A 46
Turismo


PÁGINA 47
Resenha


PÁGINA 48
Fotopoesia


GALERIA DE FOTOS


Edição 85 - Outubro// de 2019

PÁGINA 30 E 31

Opinião

Liderança feminina na Medicina

Por Eloisa Silva Dutra de Oliveira Bonfá*

A medicina brasileira tem acompanhado a tendência mundial e se torna cada vez mais feminina. O Censo de Demografia Médica no Brasil 2018, publicado pelo Cremesp, em parceria com a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), revelou que as mulheres já representam a maioria dos recém-formados e quase metade dos médicos em atividade no país.

No entanto, esse avanço não foi acompanhado por uma representação proporcional em cargos de liderança. Isso é um fenômeno mundial e, segundo artigo recente da Harvard Business Review (junho 2018), nos Estados Unidos apenas 18% dos cargos de direção executiva de empresas, 16% dos cargos de diretores de faculdades ou de chefia de departamento, 10% das autorias principais de trabalhos científicos e 7% dos cargos de editores de revistas científicas renomadas são ocupados por mulheres.

A FMUSP também reflete essa disparidade, pois demorou 85 anos para essa escola médica, fundada em 1912, ter uma professora titular, em 1997: a responsável pela cadeira de Patologia, Professora Dra. Maria Irma Duarte. No mesmo ano, a infectologista Professora Dra. Maria Aparecida Shikanai Yasuda seria a segunda mulher a assumir o cargo de professora titular da FMUSP, como responsável pelo Departamento de Doenças Infecciosas e Parasitárias. No ano seguinte, me tornei a terceira professora titular, como responsável pela Disciplina de Reumatologia do Departamento de Clínica Médica. Avançamos um pouco e hoje somos 13 professoras titulares dentre os 68 cargos disponíveis. Contudo, até hoje, nenhuma mulher ocupou o cargo de diretora da Faculdade de Medicina da USP.

Da mesma forma, demorou 70 anos para o Hospital das Clínicas ter uma mulher na sua liderança, fato que ocorreu quando fui eleita para assumir a posição de diretora clínica. O complexo Hospitalar do Hospital das Clínicas é composto de oito institutos (Instituto Central, Instituto do Coração, Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, Instituto da Criança e Adolescente, Instituto de Ortopedia, Instituto de Psiquiatria, Hospital Auxiliar de Suzano e Instituto de Medicina Física e Reabilitação) com aproximadamente 20 mil colaboradores e mais de 2 mil leitos. Hoje, as mulheres representam 63% dos cargos de diretoria de corpo clínico de cada um dos Institutos.

Como representante e agente dessa mudança no complexo HC-FMUSP acredito que a mulher traz um novo olhar para a liderança, com um pouco mais de sensibilidade e habilidade de multitarefa. Vejo que hoje existe uma consciência cada vez maior de valorização de mérito sobre o gênero, e a grande questão que se coloca é como resgatar o processo de equidade.

Uma das maiores barreiras para essa igualdade é a questão da maternidade, denominada, em inglês, maternal wall. O avanço na carreira de grandes talentos muitas vezes se perde por falta de compromisso institucional nesse período e a exigência de dupla jornada. O investimento para atender as demandas de lactação, creche e licenças é considerado alto, mas com evidências de que ele pode ser compensador em termos de motivação e fidelização, pois é entendido como benefício de valor inestimável.

Outro aspecto relevante é a necessidade de preparar esse contingente de mulheres que está crescendo na Medicina para assumir o papel de liderança. Isso requer muito mais do que políticas afirmativas e deve necessariamente incluir programas formais de preparo para essa atividade, com apoio institucional. A capacitação é fundamental para podermos ter o orgulho de ser mulheres líderes e não líderes porque somos mulheres.

A sociedade já tem a consciência de que precisa dessa mudança e de que a diversidade é uma força e não uma fraqueza. Falta trilhar o caminho da implementação.


*Professora Titular de Reumatologia da Faculdade de Medicina da USP e Diretora Clínica do Complexo HC-FMUSP


Este conteúdo teve 499 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 268 usuários on-line - 499
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior