PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PÁGINA 1
Nesta edição


PÁGINA 4 a 9
Entrevista


PÁGINA 10 E 11
Crônica


PÁGINA 12 A 26
Dossiê/Vacinas/História


PÁGINA 27 A 29
Tecnologia


PÁGINA 30 E 31
Opinião


PÁGINA 32 A 35
Hobby


PÁGINA 36 A 39
Agenda Cultural


PÁGINA 40 E 41
Medicina no mundo


PÁGINA 42 A 46
Turismo


PÁGINA 47
Resenha


PÁGINA 48
Fotopoesia


GALERIA DE FOTOS


Edição 85 - Outubro// de 2019

PÁGINA 47

Resenha

Tolstói e os cuidados médicos

Por Paulo Cesar Rozental Fernandes*

“respice finem”*
“Para Ivan Ilitch, só uma questão era importante: sua situação era grave ou não? O médico, porém, ignorava essa questão descabida. Do ponto de vista do doutor, tal questão era ociosa e indigna de ser debatida, e havia apenas a avaliação das possibilidades: rim solto, catarro crônico e doença do ceco. Não havia questão sobre a vida de Ivan Ilitch, mas havia questão entre o rim solto e o ceco.”

Ivan Ilitch, membro de um tribunal russo, é o protagonista do clássico de Lev Tolstói: “A morte de Ivan Ilitch”. O autor faz críticas ao estilo de vida da época, ironiza a valorização das aparências e descreve a dolorosa evolução de uma moléstia desconhecida.

Além da pequenez da personalidade, dos sentimentos, das escolhas e ambições do personagem principal, fica claro o descontentamento e tristeza de Ivan, com os cuidados médicos que recebe. Ironicamente, os médicos tratam-no com o mesmo distanciamento e indiferença que o personagem lidava com seus casos no tribunal. Contudo, aqui se registra o exemplo de algo cada vez mais presente no cotidiano da prática médica brasileira: pacientes queixando-se da falta de habilidade e de valorização no contato interpessoal.

Não se sentindo acolhido e sem confiar em seus médicos, o paciente se torna avesso às estratégias terapêuticas propostas e passa a alternar estados de dúvida e tristeza. Tolstói ilustra tudo com a simplicidade de um gênio, e Ivan entrega-se ao medo.

A tecnologia nos forneceu novos meios diagnósticos, inovações terapêuticas e aumentou a lista de conteúdos que o médico deve conhecer. Contudo, a capacidade técnica não é o único pré-requisito para se tornar médico. Prima facie, de mãos dadas caminham: Ética, Disciplina, Técnica e Empatia.

Quantos capítulos irão compor nossa história? Quando e como encerraremos a trajetória que agora trilhamos? Qual será nosso legado ao partirmos? São perguntas que rondam nosso imaginário desde tempos imemoriáveis. As respostas são únicas e subjetivas. Como profissional, acredito que – como eu – você não tenha escolhido Medicina para poder ser substituído por uma máquina que relata hipóteses diagnósticas ou calcula a probabilidade de morte a partir de sintomas. Também sou médico para acolher meus pacientes, para fazer com que eles se sintam mais seguros, para ser mais humano a cada semelhante que eu tocar. E isso nenhuma máquina jamais fará. Se a vida de Ivan Ilitch foi em vão, não deixemos que sua morte também o seja.

(*) Considera o fim; latim.

* Residência em Cirurgia Geral pelo Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo; Residência em Videolaparoscopia pela Universidade de Santo Amaro/Hospital Geral do Grajaú (Unisa/HGG); MBA Executivo em Saúde pela Fundação Getúlio Vargas (FGV); e delegado do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), na Delegacia da Vila Mariana


Este conteúdo teve 108 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 204 usuários on-line - 108
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior