PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Sem qualquer significado legal que garanta a veracidade dos dados...


ENTREVISTA (JC pág. 3)
Neuropediatra e neurocirurgião Nélio Garcia de Barros


ATIVIDADES 1 (JC pág. 4)
Novo formato caracteriza retomada do PEMC no Estado


ATIVIDADES 2 (JC pág. 5)
Nova especialidade médica apresenta membros de sua CT


ATIVIDADES 3 (JC pág. 6)
Acompanhe uma síntese do seminário sobre o tema abaixo, realizado em agosto


XII ENEM
XII Encontro Nacional das Entidades Médicas (ENEM) - Carta de Brasília


GERAL 1 (JC pág. 10)
Módulo de atualização do Cremesp aborda responsabilidades civil, penal e ética do médico


GERAL 2 (JC pág. 11)
Ganho compartilhado fere os preceitos da boa prática médica


GERAL 3 (JC pág. 12)
Cremesp prossegue com eventos para esclarecer alterações do CEM


CFM (JC pág. 13)
Representantes do Estado no CFM se dirigem aos médicos e à sociedade


ÉTICA & BIOÉTICA (JC pág. 16)
Em agosto, o Conselho Federal realizou o I Fórum sobre Diretivas Antecipadas de Vontade


GALERIA DE FOTOS



Edição 274 - 09/2010

GERAL 1 (JC pág. 10)

Módulo de atualização do Cremesp aborda responsabilidades civil, penal e ética do médico


Direito médico, laudo e sigilo profissional são temas de jornada no Conselho

Com o objetivo de aprofundar questões relativas aos direitos e deveres do médico – como responsabilidades civil, penal e ética – e debater diferentes aspectos do laudo médico e do sigilo profissional, o Cremesp realizou, nos dias 21 e 28 de agosto, respectivamente, na Delegacia Metropolitana da Vila Mariana, a I Jornada de Direito Médico e o simpósio Laudo Médico Pericial e Sigilo: visão Judicial e Ética, dentro do Programa de Educação Médica Continuada  (PEMC). Os eventos devem ser apresentados em outros municípios do Estado de São Paulo.

De acordo com Henrique Carlos Gonçalves, conselheiro e coordenador do Departamento Jurídico do Cremesp, a intenção é criar uma Câmara Técnica de Direito Médico no Cremesp, para levar informação aos profissionais. “As questões do direito médico têm exacerbado discussões. Assim como o CFM e a Ordem dos Advogados do Brasil já têm suas Câmaras Técnicas, o Cremesp precisa fomentar uma discussão mais aprofundada sobre o tema ”, afirma.

Henrique Carlos representou o presidente do Cremesp, Luiz Alberto Bacheschi no evento, que também contou com a participação de Osvaldo Simonelli, chefe do departamento jurídico do Cremesp; Flávio Dantas, delegado do Cremesp, membro relator do Comitê de Ética em Pesquisa da Unifesp e coordenador de pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar da Escola Paulista de Direito; Jarbas Simas, delegado superitendente do Cremesp, diretor adjunto do departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) e presidente da Sociedade Paulista de Perícias Médicas; e Cláudio Levada, desembargador de Justiça.

Dever médico
O dever de informação ao paciente é essencial para que o médico possa salvaguardar sua defesa, sendo fundamental o preenchimento dos termos de consentimento e de responsabilidade. Numa divergência, o paciente é quem deve provar que o médico agiu erradamente, com o auxílio de laudos periciais. “Ao não informar o paciente, a questão foge do âmbito do Código Civil e passa a ser enquadrada no Código de Defesa do Consumidor, cujas penalidades são maiores”, explicou Levada.

Para Simonelli, o termo “erro médico” se banalizou na sociedade e deveria ser exceção. O correto seria “evento adverso”, ou seja, algo que saiu errado sem a intenção de lesar o paciente.

Laudo médico pericial e sigilo profissional
Por que e quando utilizar o sigilo médico? Com esses questionamentos, teve início o simpósio Laudo médico pericial e sigilo profissional: visão judicial e ética, promovido pelo Cremesp, dentro do Programa de Educação Médica Continuada, em 28 de agosto, no auditório da Delegacia da Vila Mariana. 

Na mesa de abertura, Henrique Carlos, representando o presidente Luiz Alberto Bacheschi, ressaltou que “o grande beneficiário destes debates é o cidadão”, passando a palavra a Osvaldo Pires Simonelli, que coordenou os trabalhos.

Na opinião do palestrante Airton Pinheiro, juiz auxiliar da 12ª Vara Cível Central da Capital, o sigilo não é um privilégio do médico, mas uma conquista. “O sigilo profissional é uma questão de interesse público e é tanto mais relevante quanto se pensa no destinatário final, o paciente”, declarou. Segundo ele, o objetivo do sigilo é tutelar o direito à privacidade e à individualidade do paciente.

Pinheiro explicou que os direitos nem sempre se revestem de caráter absoluto, e, em função disso, surgem os conflitos. “É preciso saber quando o segredo profissional deve ceder a outros direitos igualmente relevantes dentro da constituição, em função dos conflitos que se estabelecem em cada situação”, como por exemplo dever legal ou por autorização expressa do paciente.

O procurador do Ministério Público, Levy Emanuel Magno, abordou a questão do sigilo profissional sob o aspecto criminal. Para ele, quando o médico tiver dúvida a respeito se deve ou não revelar um segredo, deve se perguntar: “é razoável, é plausível tal procedimento?” Mas é importante lembrar que quando o paciente é réu, está protegido pelo sigilo, sendo que a proibição somente é eliminada desde que autorizada por ele.

Para Mário Jorge Tsuchiya, delegado do Cremesp, legista e perito médico, que proferiu a palestra Documentos médicos legais: definição, classificação e sigilo, cabe ao médico divulgar somente para o canal competente o que estiver no laudo, ou por decorrência de dever legal, como, por exemplo, casos de doenças com notificação compulsória para a vigilância sanitária. Mas, em sua opinião, “o médico pode abrir mão de ser o depositário do sigilo sempre que houver motivo justo ou um imperativo de consciência”.

A natureza jurídica, administrativa e médica do laudo médico pericial foi tema das palestras proferidas por Alessandra de Medeiros Nogueira Reis, juíza federal titular da 11ª Vara Gabinete do Juizado Especial Federal de São Paulo, e Rodrigo de Barros Godoy, procurador regional da Procuradoria Federal Especializada do INSS.

Os Aspectos Éticos do Laudo Médico Pericial também foram discutidos no encontro, com palestras de Jarbas Simas.


Este conteúdo teve 510 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 7h às 21h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 268 usuários on-line - 510
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior