PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
O Encontro de Esperanças - Editorial de Isac Jorge Filho


ENTREVISTA
O convidado desta edição foi Jorge Machado Curi, presidente da APM


GERAL 1
A obrigatoriedade da revalidação de títulos de novos especialistas


AVALIAÇÃO DO ENSINO
Acertada data para a segunda fase da avaliação formandos em Medicina: 21/12


HONORÁRIOS MÉDICOS
Em foco o atual sistema de pagamento das entidades filantrópicas


FÓRUM
Acompanhe uma sinopse do I Fórum Regulamentador de Publicidade Médica


ATUALIZAÇÃO
A presença de corpos estranhos na cavidade abdominal


ENCONTRO DOS CONSELHOS
Destaques do encontro dos CRMs do Sul/Sudeste: formação médica e mercado de trabalho


EM DEFESA DO SUS
Em discussão, o orçamento da Saúde para o próximo ano, 2006


ARTIGOS
José Marques Filho escreve sobre "Novos desafios éticos"


AGENDA
Destaque: Krikor Boyaciyan é o novo presidente da Sogesp


NOTAS
Alerta Ético sobre a atuação do Perito Médico


GERAL 2
Parecer: cirurgião do aparelho digestivo pode realizar endoscopia cirúrgia?


ALERTA AOS MÉDICOS
Informe Técnico do CVE alerta os médicos sobre a febre maculosa


GALERIA DE FOTOS



Edição 219 - 11/2005

ALERTA AOS MÉDICOS

Informe Técnico do CVE alerta os médicos sobre a febre maculosa


Febre Maculosa

Confira o Informe Técnico elaborado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde

A Febre Maculosa Brasileira (FMB) é uma doença infecciosa sistêmica, potencialmente grave, causada pela Rickettsia rickettsii. Caracteriza-se patologicamente por vasculite generalizada.

Epidemiologia
A FMB é uma zoonose. Seu principal vetor e reservatório é o “carrapato-estrela” (Amblyomma cajennense, foto abaixo). Esse carrapato pode infestar animais silvestres (capivara) e domésticos (eqüinos). A riquétsia persiste no carrapato por gerações, pois é transmitida a sua progênie transplacentariamente. Além disso, todas as formas evolutivas do Amblyomma (larvas, ninfas e adultos) podem picar o homem e transmitir a doença. Casos de FMB são descritos no Brasil desde 1929. Em São Paulo, a doença estava mais ou menos restrita à região metropolitana da capital até a década de 1980. Desde então o número de casos é crescente nas regiões de Campinas e Piracicaba. Há também notificações isoladas em Itu, Ribeirão Preto e no litoral. Além de São Paulo, a FMB tem ocorrido nos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Santa Catarina. A FMB é doença de notificação compulsória.

Quadro clínico
- Período de incubação: de dois a 14 dias.
- Quadro inicial: começo súbito, febre moderada a alta, cefaléia, calafrios, congestão de conjuntivas.
- Exantema: surge no terceiro ou quarto dia da doença. É maculo-papular, róseo, nas extremidades, irradiando-se para tronco, face, pescoço, palmas e solas. Pode haver também petéquias e sufusões hemorrágicas.
- Evolução: O paciente pode cursar com torpor, agitação psicomotora e/ou sinais meníngeos. Outros achados freqüentes são: face congesta, edema peripalpebral e de extremidades, tosse. Os casos graves evoluem para hipotensão e falência de múltiplos órgãos. A letalidade em casos não tratados varia de 20 a 40%.

Achados laboratoriais
O hemograma geralmente é normal, mas pode apresentar leucocitose ou leucopenia com desvio à esquerda. Anemia é observada em 5-30% dos casos. Plaquetopenia e coagulopatia podem ocorrer, além de aumento de uréia e creatinina séricas.

Tratamento
O tratamento deve ter início rápido, o que tem um impacto importante na letalidade da doença. As drogas de escolha são: Tetraciclina (25 a 50 mg/kg/dia, em 4 doses diárias), Doxiciclina (100 mg 12/12h) e Cloranfenicol nos casos graves (50 a 75 mg/kg/dia, em 4 doses diárias). O tempo de tratamento é de, no mínimo, sete dias, ou até dois dias após o término da febre. A tetraciclina não deve ser administrada em menores de oito anos e gestantes. Os casos graves devem ser hospitalizados. Os casos mais leves podem ser tratados ambulatorialmente, com controle médico diário. Cuidados devem ser dirigidos para possíveis complicações, sobretudo as renais, cardíacas, pulmonares e neurológicas.

Prevenção
A principal medida profilática consiste em evitar contato com carrapatos. Para tanto, alguns cuidados devem ser tomados:

(1) conhecimento das áreas endêmicas de FMB;
(2) evitar caminhar em áreas conhecidamente infestadas por carrapatos;
(3) caso se necessite andar em áreas infestadas, vistoriar o corpo em busca de carrapatos em intervalos de 3 horas (quanto mais rápido for retirado o carrapato, menor o risco de contrair a doença);
(4) utilizar barreiras físicas como calças compridas com a parte inferior por dentro das botas e a parte superior lacrada com fitas adesivas de dupla face;
(5) utilizar roupas claras para facilitar a visualização dos carrapatos;
(6) não esmagar os carrapatos com as unhas, pois isso facilita a liberação das bactérias que penetram através de microlesões na pele. Os carrapatos devem ser retirados com cautela, torcendo-os levemente.

Todos os casos suspeitos de FMB deverão ser notificados às Vigilâncias Epidemiológicas Municipais que, por sua vez, notificarão as Vigilâncias Epidemiológicas das Direções Regionais de Saúde para que se proceda à investigação conjunta e se efetivem as medidas de controle.

Diagnóstico laboratorial específico

ExameMaterialFase da ColetaQuantidade e recipiente
sorologiasoro1ª amostra: fase aguda
2ª amostra: fase convalescença (2 semanas após 1ª coleta)
5 ml de sangue em tubo seco
isolamentocoágulo sangüíneofase aguda5 ml de sangue em flaconete estéril
isolamentofragmento de pelefase agudafragmento de pele em flaconete estéril
imuno-histoquímicabiópsia de peleapós surgimento de petéquiasfragmento de pele em frasco com formol a 10%



A Febre Maculosa pode confundir-se com sepse, leptospirose e outras doenças. O diagnóstico correto é essencial e a terapia salva vidas. Deve ser dada atenção aos antecedentes epidemiológicos.


Este conteúdo teve 562 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 213 usuários on-line - 562
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior